A média móvel dos novos casos de Covid-19 em Jaraguá do Sul, que contabiliza os registros dos últimos 7 dias, tem demonstrado queda desde a segunda quinzena de julho. O índice de 35,71 novos casos contabilizados até sexta-feira (30) foi o menor desde o dia 30 de outubro de 2020, quando esteve em 35,14.

A tendência de queda na proliferação do coronavírus é vista pela Secretaria Municipal de Saúde como um reflexo da vacinação. Mais de 77,5 mil pessoas receberam a primeira dose, dessa 26 mil já completaram a imunização com a segunda dose. Outras 6,1 mil pessoas receberam vacinas de dose única.

“Existe uma proteção maior na cidade, mas isso não se descarta os cuidados que tem que permanecer”, comenta o secretário da pasta em relação ao avanço da imunização, Alceu Moretti.

Apesar dessa gradual redução no aparecimento de novos casos da doença, o perfil de gravidade nos quadros que chegam aos hospitais preocupa. Ainda mais por conta da tendência de aparecimento de outras doenças respiratórias graves nesta época do ano.

“O público de mais idade, um percentual grande já tomou a segunda dose, reduziu significativamente as internações. A gente tem observado, e os números têm dito, que as pessoas mais jovens têm contraído o vírus e têm tido complicações”, ressalta.

Foto: Divulgação/PMJS

O pico de óbitos por Covid-19 foi na semana de 28 de março a 3 de abril, com 24 mortes. Os números seguiram elevados, com mais de 10 mortes por semana até a primeira quinzena de julho - quando esses índices passaram a reduzir, ao passo que a vacinação foi cobrindo também o público abaixo dos 30 anos.

Mas os números oscilam. Nessa semana, por exemplo, foram registrados 8 mortes em decorrência de complicações to coronavírus, todos pacientes com fatores de risco.

Por isso, Moretti reforça a importância dos cuidados, uma vez que os casos de complicação, apesar de mais raros, têm sido mais severos.

“Houve mutações e a gente tem percebido, até conversando com os hospitais, os pacientes têm chegado mais graves, os pacientes têm se arrastado com longos dias de UTI”, pontua. "A sorte é que a grande maioria das pessoas não tem complicações, mas quem complica, complica mesmo”.

Atualmente, a taxa de ocupação dos leitos Covid-19 está em 85% na UTI adulto, com cerca de 39 pessoas de Jaraguá do Sul e demais municípios, e 51% na enfermaria, também com 39 internados.

Segunda dose garante a proteção

O secretário de Saúde reforça que a proteção contra o coronavírus só é completa com a segunda dose da vacina - tirando as vacinas de dose única.

Em alguns casos, a Secretaria tem precisado fazer busca ativa, chamando as pessoas para completarem a imunização.

“Comprovadamente todas as vacinas são eficientes. No começo do ano, tínhamos só Coronavac, foram para os profissionais da saúde e praticamente não tivemos mais problemas com esses profissionais. Tínhamos taxa de pessoas contaminadas e afastadas, agora isso é praticamente inexistente”, destaca.

Caso o Ministério da Saúde siga disponibilizando as doses, a estimativa é que até o mês de setembro todas as pessoas até 18 anos estejam com a primeira dose completa.

Cuidados diários devem permanecer

Moretti comenta que as medidas de distanciamento social, uso de máscara e cuidados com higienização devem ser mantidas no dia a dia.

A vacinação protege contra as complicações causadas pelo vírus, mas ainda há chances de contrair o vírus e passar para outras pessoas.

A atenção aos grupos de risco, idosos e pessoas com doenças crônicas, também precisa ser mantida.

Dados até 29 de julho de 2021. Fonte: Prefeitura de Jaraguá do Sul.

A faixa etária dos 30 a 39 anos segue como o maior número de casos de Covid-19, seguida por 20 a 29 anos, e então 40 a 49 anos.