O prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli, assinou na manhã desta quinta-feira (11), o contrato e a ordem de serviço para que a empresa Habitark Engenharia Ltda. de Blumenau inicie a elaboração do projeto da nova estação de tratamento de esgoto do município, a ser instalada no Bairro Centenário.

O ato contou com a presença do diretor presidente do Samae, Ademir Izidoro, de servidores da autarquia municipal, do diretor da empresa blumenauense, Fernando Ricardo dos Reis, e do presidente da Câmara de Vereadores, Onésimo Sell, que fez indicação no Legislativo, recentemente, para que o processo de construção da nova estação fosse acelerado na atual gestão.

Ao autorizar o início da elaboração do projeto da nova ETE, o prefeito Antídio Lunelli recomendou que o mesmo seja feito com tudo o que for necessário para o pleno funcionamento da unidade.

“Que não falte nada. Inclusive, com sistema de energia solar, para diminuir os custos com energia elétrica”, mencionou.

O diretor da Habitark informou que o projeto será completo, integrando estrutura, elétrica e paisagismo.

“Vamos elaborar o projeto dentro dos parâmetros exigidos, usando novas tecnologias e o que for necessário para obter a melhor eficiência possível nesta estação”, disse Fernando Dias. “É um orgulho para a nossa empresa prestar este serviço aqui em Jaraguá do Sul para o Samae, que é uma referência em saneamento básico no país”, completou.

A nova estação substituirá a ETE Figueira, atualmente em funcionamento na Rua Prefeito Victor Bauer (Via Verde), Ilha da Figueira.

De acordo com o diretor presidente do Samae, a ETE Figueira foi inaugurada em 2002, com tecnologia que reduz 80% da carga orgânica do esgoto sanitário, porém não remove nutrientes como o nitrogênio e fósforo, bem como detergentes, exigindo a aplicação de antiespumante no efluente tratado para não causar impacto visual. Com a nova estação, a da Figueira será desativada.

“A estação da Figueira foi um grande marco para o saneamento básico de Jaraguá do Sul. Hoje, temos alterações importantes nestes sistemas”, comenta o diretor.

Além da tecnologia mais avançada, que removerá 95% da carga orgânica, reduz nitrogênio, fósforo e detergentes, eliminando a necessidade de utilização de antiespumante. “Tudo isso, com custo operacional 15% menor”, enfatizou.

A ETE Figueira trata atualmente o esgoto sanitário gerado por uma população de 46 mil habitantes, dos bairros Águas Claras, Barra do Rio Molha, Boa Vista, Centro, Ilha da Figueira, Rio Molha, Vila Baependi, Vila Lalau e Vila Nova.

A capacidade de tratamento é de 140 litros por segundo. Já a nova ETE aumentará a vazão nominal para 275 litros por segundo, tratando o esgoto gerado por uma população de cerca de 130 mil habitantes, abrangendo além dos bairros atendidos atualmente, outras cinco regiões: Centenário, Vieira, João Pessoa, Santa Luzia e Vila Chartres.

O prazo para a elaboração do projeto da nova estação de tratamento de esgoto é de oito meses. O valor do contrato é de aproximadamente R$ 535 mil, 37% menor que o valor de referência do edital, que foi de R$ 842 mil.

O terreno está localizado no Bairro Centenário, tem 41 mil metros quadrados e fica na margem esquerda do Rio Itapocu. Sobre a construção da nova ETE, segundo Ademir Izidoro, será necessário aguardar o projeto executivo para se ter uma ideia do investimento a ser feito, mas, estima que esteja próximo dos R$ 40 milhões.