O prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Aleixo Lunelli, acompanhado do secretário de Saúde, Jonas Schmidt, e do secretário da Administração, Argos Burgardt, além de outros servidores municipais, conheceu a campanha contra a tuberculose que o município desenvolverá este ano.
O Dia Mundial da Tuberculose será no sábado (24). A data foi instituída em 1982 pela Organização Mundial de Saúde e pela União Internacional Contra Tuberculose e Doenças Pulmonares, e foi uma homenagem aos 100 anos do anúncio do descobrimento do bacilo causador da doença, pelo médico Robert Koch, em 1882.
De acordo com a gerente de Vigilância Epidemiológica, Fabiane da Silva Ananias, no ano de 2017, Jaraguá do Sul diagnosticou 29 novos casos de tuberculose, o que é considerado um número abaixo da média de outros municípios brasileiros com população acima dos 100 mil habitantes. No entanto,  o que mais preocupa as autoridades é o diagnóstico tardio, ou seja, geralmente, feito após o paciente já estar hospitalizado.
Em função disso, segundo ela, a campanha deste ano – que se estenderá a partir da próxima semana e durante todo o mês de abril –, será voltada aos profissionais da saúde.
“A ideia é fazermos cerca de 60 apresentações teatrais com duração entre 5 a 10 minutos em todas as unidades básicas, hospitais, cursos de enfermagem e outros ambientes que tratam de atendimento à saúde. Após as apresentações, será promovida uma hora de conversa entre a equipe da Secretaria de Saúde e os profissionais para tirar dúvidas”, informa.
“A qualidade da atenção ao paciente é fundamental para que ele dê sequência ao tratamento”, reforça a gerente, acrescentando que esta será a principal mensagem a ser passada aos profissionais durante a campanha. 
O secretário de Saúde, Jonas Germano Schmidt, informou que fazem parte da campanha peças publicitárias que incluem folderes e camisetas (que serão usadas pelos profissionais da saúde. "Aproveitamos para fazer uma campanha mais ampla, que trata dos problemas respiratórios, e vamos trabalhar fortemente o diagnóstico da tuberculose e também reforçar a prevenção à gripe", explica. 

A campanha

Dois atores jaraguaenses foram chamados para a encenação que se passa em dois ambientes: o consultório médico e a casa do paciente. Na primeira cena, o ator que interpreta o médico está em seu consultório e chama o paciente de nome Frederico para a consulta. O paciente relata sintomas como febre e tosse leve ha cerca de três semanas. Mesmo mencionando os sintomas semelhantes ao da tuberculose e com raio x dos pulmões, o médico não diagnostica a doença e libera Frederico. 
Já na segunda cena, Frederico chega em casa de máscara e conta aos familiares que está com tuberculose e que descobriu a doença depois de parar no hospital. Fala sobre o tratamento prolongado de seis meses, de ter que ficar em casa por duas semanas e os riscos de contágio. E sente na pele como é o preconceito com os ‘tuberculosos’.
A terceira cena aborda o tratamento. Frederico volta ao primeiro médico com quem se consultou e conta que foi diagnosticado com tuberculose, como foi enfrentar o preconceito em casa e no trabalho e a dificuldade de ficar isolado do convívio social durante os seis meses de tratamento.
Este seria o primeiro dia do tratamento que acontece na unidade de saúde, ou seja, o paciente necessita ir diariamente à unidade para tomar a medicação. Frederico falta no décimo nono dia e, no vigésimo, o médico chama a atenção para a importância da continuidade do tratamento. Por fim, chega o centésimo octogésimo dia. Passados os seis meses o médico informa Frederico que ele está curado da doença, mas que só foi possível porque o paciente não interrompeu o tratamento.
*Com informações da Prefeitura de Jaraguá do Sul