Uma denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) levou a Secretaria de Saúde de Jaraguá do Sul a identificar uma pessoa que teria burlado a fila de vacinação contra Covid-19.

Segundo informações repassadas pela assessoria de imprensa da Prefeitura, o munícipe teria falsificado o comprovante do local de trabalho, indicando ser trabalhador da saúde - categoria que está incluída nos grupos prioritários do Plano Nacional de Imunização (PNI) contra a Covid-19.

Segundo nota da Secretaria, “os profissionais que atuam na imunização têm sido criteriosos, exigindo comprovantes para a aplicação das vacinas aos públicos-alvo realmente constantes em cada etapa do PNI, estabelecido pelo Ministério da Saúde”.

Mudanças na confirmação de informações

Por conta desse caso, a Secretaria de Saúde informou que desde sábado, dia 27 de março, para receberem a vacina, os profissionais da saúde, tanto por faixa etária quanto os portadores de comorbidades, deverão apresentar, além dos documentos já exigidos, cópia do comprovante do local de trabalho, ou declaração do local de trabalho com carimbo e assinatura do responsável.

O documento ficará retido na Central de Vacinas junto a documentação da pessoa imunizada, no caso de dúvidas quanto à sua autenticidade.

Outro pedido apresentado pelo MPSC durante a apuração foi que o município passe a divulgar nos portais o nome da pessoa vacinada, data de nascimento, estabelecimento de saúde, data da vacinação, grupo prioritário ao qual pertence e nome da vacina empregada.

Segundo a Secretaria de Saúde, “o assunto está sendo analisado pela Procuradoria Jurídica do Município, no tocante à legalidade do ato.”

Com informações da assessoria de comunicação da Prefeitura de Jaraguá do Sul.