Vovó Mafalda tem 99 anos e queria adotar uma criança. Conhecedora do sofrimento que crianças indefesas passavam nos navios negreiros, soube que muitas foram levadas ao abrigo da cidade. Um dia ela decidiu procurar o orfanato e conheceu Julyane, de sete anos, de lindos olhos pretos, um sorriso contagiante, uma beleza exuberante e que encantava a todos com suas histórias, tamanha a sua imaginação. Hoje, o que ela e vovó Mafalda mais gostam é percorrer as escolas e creches da região para contar lindas histórias. Esse roteiro passa a ser apresentado nas instituições de ensino de Jaraguá do Sul, que integra a segunda etapa do projeto “Africanidade na Educação Infantil”, de autoria da pedagoga Cleonice Lorencini, ministrado às estudantes do curso de magistério da Escola de Educação Básica Heleodoro Borges. O texto foi criado pela estudante Débora Adriano Bortoncello, e a caracterização e interpretação da “vovó” é de Sirlei Cordeiro da Rocha, ambas do 3º ano. A confecção da boneca de pano, de cerca de 1,50 metro, foi da aluna Annay Elberhardt Mello. LEIA MAIS: Pedagoga da Heleodoro Borges desenvolve projeto inédito sobre africanidade com alunas do magistério “AS CRIANÇAS ADORAM”  A aluna Sirlei da Rocha, 34 anos, conta que a personagem da vovó a acompanha há quatro anos. “Nunca fiz curso de teatro, mas a personagem da vovó incorpora e as crianças adoram”, conta ela, que além da maquiagem e roupas, modifica a voz para o tom de uma pessoa idosa com extrema facilidade. Em setembro, se apresentou para crianças do pré-escolar e 1º ano da Escola Municipal Rui Barbosa, em Schroeder. “Gosto muito de contar histórias. Através da oralidade, quero levar a cultura afro”, resume ela, que costuma improvisar, dependendo da plateia. “É uma forma das crianças aprenderem ludicamente, de interagirem aprendendo”, assinala. ESCOLAS DEVEM AGENDAR APRESENTAÇÕES  A professora Cleonice se mostra satisfeita com o engajamento ao projeto. “Para mim é uma realização elas abraçarem juntas. A história começa resgatando a escravidão, mas depois fala da alegria da adoção da menina negra. A boneca vai ganhar vida com isso”, destaca a educadora Cleonice Lorencini. Quem tiver interesse em ter apresentações da vovó Mafalda com a boneca Julyane deve contatar pelo nicelorencini@hotmail.com. LEIA TAMBÉM:Coral africano oportuniza estudos culturais às comunidades negra e afrodescendente