Os órgãos de controle de Santa Catarina monitoram dia a dia as ações do governo de estado no enfrentamento à Covid-19 e esperam resultados mais favoráveis, antes de tomarem a decisão de um pedido mais radical, como o lockdown em todos os municípios.

Conforme dados da secretaria de Saúde, divulgados na noite desta terça-feira (3), nas últimas 24 horas foram registrados 5.814 novos casos de coronavírus e 86 mortes em Santa Catarina. Soma-se a isso taxa de 99% de ocupação dos leitos de UTI, conforme relatório da Fiocruz. Esses números, aliados à imagem de pacientes sendo transferidos para o Espírito Santo, deixam não só as autoridades, como a população catarinense, em alerta.

 

 

Na última segunda-feira (1), em reunião com o Governo do Estado, os chefes e integrantes do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), do Ministério Público Federal e do Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina, do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina, da Defensoria Pública do Estado de Santa Catarina e da Defensoria Pública da União cobraram medidas mais duras e ressaltaram a preocupação com a desassistência na saúde.

Eles ouviram do governador Carlos Moisés; do secretário Estadual da Saúde, André Motta Ribeiro; do chefe da PGE, Alisson de Bom de Souza; e do decretário da Administração, Jorge Tasca que o modelo de medidas restritivas aos finais de semana é eficiente. O governo pede até a próxima semana, quando encerra-se o prazo do decreto, para anunciar números mais animadores.

Os órgãos de fiscalização e de controle decidiram monitorar os reflexos das medidas e conforme a evolução da situação, novas providências serão avaliadas pelo conjunto de instituições.