Os recursos repassadas pela Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), para agentes culturais de Jaraguá do Sul, resultaram no livro "Memorial do Bairro Santa Luzia - Os Herdeiros da Duquesa".

São aproximadamente 700 páginas, após anos de estudos, entrevistas e pesquisas realizadas pelos autores Álido e Lauro Rosá. A ideia de produzir o livro surgiu em 1985, quando houve publicação de artigos sobre o bairro no jornal O Correio do Povo.

De lá para cá, a busca por informações, testemunhos e fotografias marcaram a caminhada dos irmãos sobre as histórias das famílias, da religiosidade, da educação, da economia e também de todo processo de colonização até o desenvolvimento político, econômico e social do bairro e região.

Foto Divulgação

A obra “Memorial do Bairro Santa Luzia” conta com informações sobre a formação da Sociedade do Valo Agrícola, que proporcionou um grande desenvolvimento à região.

Há capítulos específicos sobre as famílias colonizadoras, escolas, igrejas, casas comerciais, indústrias, vida social dos moradores, bairros e localidades vizinhas.

Foto Divulgação

A obra tem ilustração farta e a documentação contou com o apoio de muitas pessoas envolvidas com a temática.

Não haverá uma cerimônia de lançamento por conta da pandemia da Covid-19. Dos 50 livros impressos, alguns exemplares já foram entregues a órgãos públicos, escolas, universidades e outras entidades, conforme disposto no projeto.

Outra parte da edição foi financiada pelos próprios autores e está sendo vendida a preço de custo. Os livros podem ser adquiridos pelo telefone 3370-7955, com Lauro Rosá.

O Bairro Santa Luzia completou, em julho de 2019, os 100 anos da chegada da primeira família à comunidade. No bairro fica o Museu di Ferramenta d’Affari dei Nonni, que também tem a dedicação dos irmãos Rosá no sentido de preservar a história e os legados das famílias que construíram a localidade.

Com informações de assessoria de imprensa e de Silvia Kita.