A primeira edição do Festival de Cinema de Jaraguá do Sul chegou ao fim na noite de sábado (19). Depois de destacar e dar espaço a produções independentes ao longo da última semana, os organizadores do evento sentam agora para planejar a próxima edição, que já está confirmada.

Os números de movimentação ainda não foram contabilizados, mas o organizador Isaac Huna destaca que o principal objetivo foi alcançado: despertar interesse a ampliar as possibilidades de desenvolvimento do gênero na região.

“No local tivemos, pela novidade do festival, uma presença interessante de crianças e adolescentes, direcionados pelas suas escolas. Em relação ao público adulto, as exibições de produções locais geraram interesse”, comenta.

Huna afirma que a próxima edição deve ter novidades, mais atrações e a programação deve ser adaptada, de forma mais flexível, às necessidades do público. “Além de termos mais dias do festival”, garante.

O organizador destaca também que a estrutura financeira do festival deve ser fortalecida. Enquanto isso, o evento promete continuar movimentando Jaraguá do Sul. Com a autorização dos autores, os filmes ainda serão exibidos em outros ambientes da cidade, além das oficinas e workshops.

Também integrante da comissão organizadora do evento, o escritor e consultor da Rede OCP Nelson Luiz Pereira, fez um balanço positivo do festival. “Estamos muito felizes com o resultado. Nós vamos para a segunda edição com todo o gás. Estamos muito motivados para iniciar o planejamento do próximo festival. Afinal, a primeira edição já nos diz que queremos a segunda”, comemora.

Os premiados

Na noite de sábado, 13 filmes exibidos ao longo do festival receberam premiação, além de outros que foram destacados pelos jurados. A cerimônia aconteceu no Cultural da Scar, com a entrega dos troféus.

O jovem cineasta Bruno Rengel, de apenas 17 anos, foi contemplado com uma menção honrosa por sua pelo seu filme. Sem palavras para descrever a emoção de ser premiado, Rengel conta que “Hoje” foi a sua primeira produção. “Os personagens têm a minha idade e o roteiro é inspirado no meu círculo de amigos. É uma história que traz bastante a ideia de juventude”, descreve, ao revelar que a história tem conotações autobiográficas.

Durante a cerimônia Gilmar Moretti, cineasta e documentarista de Jaraguá do Sul, foi homenageado. Moretti, que hoje atua com o Escritório de Cinema, foi destacado pelo conjunto da sua obra na cidade, região e estado de Santa Catarina.

Confira as produções premiadas no festival

A menção honrosa - Curta experimental

  • Hoje, de Bruno Rengel - Jaraguá do Sul (SC) – 2017 – Produtora: Rengel Pictures
  • Pontos da sexualidade feminina, de Andressa Vieira - Jaraguá do Sul (SC) – 2017 - Produtora: Independente
  • De boca em boca, de Wagner Abreu - Porto Alegre (RS) – 2016 – Produtora: W.A.

Melhor montagem curta-metragem

  • Close, de Rosane Gurgel – Fortaleza (CE) – 2016 – Produtora: Comunik Filmes

Melhor trilha curta-metragem

  • Próxima, de Luiza Campos – São Paulo (SP) – 2017 – Produtora: Vetor Filmes

Melhor direção de arte curta-metragem

  • Em algum lugar, amanhã, de André Siqueira - Curitiba (PR) – 2017 – Produtora: Trunkshot

Melhor direção de fotografia curta-metragem

  • Para salvar Beth, de Theodoro Cochrane e Alan Medina - Santos (SP) – 2016 – Produtora: Theodoro Cochrane, Cine & Video, Cinecolor, Teleimage, Dcine

Melhor roteiro curta-metragem

  • Filhos da lua na terra do sol, de Danielle Bertolini - Cuiabá (MT) – 2015 - Produtora: Lamiré Cinema e Video

Melhor atriz curta-metragem

  • Gilda Nomacce - Ou isso ou aquilo, de Hadija Chalupe e Raquel Stern – Rio de Janeiro (RJ) – 2016 – Produtora: Caraduá

Melhor ator curta-metragem

  • Eucir de Souza / Guilherme Rodio - Sal, de Diego Freitas - São Paulo (SP) – 2016 - Produtora: Parakino Filmes

Melhor direção curta-metragem

  • Luiza Campos - Próxima, de Luiza Campos - São Paulo (SP) – 2017 – Produtora: Vetor Filmes

Melhor curta experimental

  • Ándale, de Petter Baiestorf - Palmitos (SC) - 2017 - Produtora: Canibal Filmes

Melhor animação

  • Solito, de Eduardo Reis - Porto Alegre (RS) – 2017 – Produtora: Submerso Filmes

Melhor curta-metragem

  • Ao final da conversa, eles se despedem com um abraço, de Renan Brandão. Produtora: Baraúna

Melhor meia-metragem

  • Rainha, de Sabrina Fidalgo - Rio de Janeiro (RJ) – 2017 – Produtora: Fidalgo Produções

Melhor longa-metragem

  • Ninfabebê, de Aldo Pedrosa - Uberaba (MG) – 2016 – Produtora: Artebarata Produções

*Reportagem de Claudio Costa e Natália Trentini