A 12ª edição do Festival de Música de Santa Catarina (Femusc) ocorrerá de 26 de janeiro a 4 de fevereiro de 2017, com 10 dias de duração, quatro dias a menos do que em 2016. Serão cortados o domingo de abertura, o domingo de folga e dois sábados. A justificativa é que festival é privado e depende de doações e apoios. O Instituto Femusc espera reduzir de 20% a 30% nos custos do evento, que em 2016 fechou em R$ 2,38 milhões. O corte nos custos, de acordo com o gerente executivo instituto Fenísio Pires Júnior, se antecipa à previsão de arrecadação menor este ano, em função da crise econômica. “A ideia é se programar já prevendo a queda no lucro das empresas, e por consequência no imposto de renda, que é reduzido através da dedução pela Lei Rouanet”, explica Fenísio. Com a redução de quatro dias do evento, os organizadores reduzirão de 430 para 300 alunos, e de 54 para 37 professores nacionais e internacionais da música erudita. Dessa forma, a concorrência se acirrará entre os participantes. Com essas ações, consequentemente haverá a diminuição nos gastos com passagens aéreas, hospedagem, alimentação, logística de transporte na região e na contratação de profissionais. O ProMusc também não acontecerá em 2017 e dessa forma não haverá a Orquestra de Professores. A boa notícia é que os concertos permanecerão gratuitos e que outros programas seguem sem alterações. Serão 32 vagas para Canto Lírico, 16 para quartetos (quatro), três para regência orquestral, três para regência de bandas, 152 vagas para o Programa Avançado e 94 para o Programa Intermediário. “Temos R$ 600 mil garantidos do governo do Estado todos os anos e esperamos captar mais R$ 1,2 milhão das empresas. A ideia é equilibrar e não perder a qualidade”. Ainda de acordo com Fenísio Júnior, “o interessante é que a comunidade toda abraça o Femusc e que contamos com apoio logístico da Prefeitura de Jaraguá do Sul”.