Está previsto para esta terça-feira(6) o início do julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O Brasil inteiro está na expectativa para saber o que vai acontecer, os reflexos serão sentidos em curto e longo espaço de tempo. Prevalece a proteção à economia – que vem dando pequenos sinais de melhora, ou o combate à corrupção e a luta pelo fim da impunidade? Pela previsão inicial, o julgamento deverá terminar somente na noite de quinta e, se houver algum pedido de vista será uma desmoralização para o TSE. Primeiro porque esse instrumento tem sido entendido por todos como manobra do ministro que pede vista para evitar a decisão. Segundo, porque no terceiro ano do mandato, o TSE ainda não conseguiu julgar a ação que foi apresentada sobre a campanha de 2014, ou seja, todos já tiveram tempo suficiente para conhecer o processo. O ideal seria separar nesse momento a figura do presidente com o destino do país, independente do que acontecer, o Brasil precisa estar protegido. Não é o país que está sendo julgado. A nação independe de quem está à frente do governo. Nomes são passageiros, os objetivos de um país, não. O clima político, contudo, é um ingrediente tóxico na economia. Investimentos que seriam feitos voltam para as gavetas nessa época de incertezas. Consumo que pode ser deixado para depois foi postergado. O resultado é o que se vê agora: a economia saiu da recessão, oficialmente, mas permanece em clima recessivo. E por isso mesmo, é melhor não prolongar a crise. Que o TSE tome a sua decisão e que o país fique focado no que realmente importa: expectativa positiva, para geração de emprego riquezas.