A chapa majoritária da coligação “Muito Mais Guaramirim” fica em aberto após a possibilidade, informada pelo PR em reunião ontem à noite, de o médico Paulo Veloso (PR) rever a decisão de deixar a disputa eleitoral para o cargo de prefeito do município. Conforme informações de membros do PDT, Veloso havia decidido não participar das eleições deste ano pelo abalo sofrido com a perda da filha, no último final de semana. Até cerca das 21 horas de ontem, os partidos da coligação – PR, PSB, PSD, PPS, PDT e PT – ainda discutiam o futuro da chapa, correndo contra o tempo para acertar como ficará a composição majoritária, que era formada ainda pelo candidato a vice, Mário Sérgio Peixer (PSB). Conforme informação de filiados, todos os partidos da coligação estão tendo o direto de indicar seus nomes para a aliança majoritária. Um dos nomes citados para estar na majoritária, independentemente da posição, é o do empresário Marcos Treis, do PDT. Ele já havia colocado seu nome à disposição do partido, mas acabou cedendo espaço para a indicação de Veloso. A permanência ou não de Peixer na chapa também estaria sendo debatida, já que a indicação de Peixer como vice de Veloso se tratava de um projeto político e, com a possibilidade de saída do médico, a aliança acabaria sendo alterada. Além disso, conforme participantes da reunião de ontem, Peixer também abordou a questão da sua indicação na lista do Tribunal de Contas de Santa Catarina (TCE/SC) relatando os agentes públicos que, nos oito anos anteriores às eleições próximas de 2 de outubro, tiveram suas contas julgadas irregulares ou que receberam parecer prévio recomendando a rejeição. A lista foi enviada ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC), que irá deliberar sobre a inelegibilidade ou não dos citados. A equipe de reportagem tentou contato com Peixer por telefone, mas este estava sem área ou desligado.