Uma reunião sobre o impasse envolvendo os motoboys e o estacionamento rotativo foi realizada na CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Jaraguá do Sul. Representantes da categoria, da entidade que representa o comércio no município e da Prefeitura de Jaraguá deliberaram sobre a questão na manhã desta sexta-feira (13).

O líder do grupo Motoboys Particulares de Jaraguá do Sul, Márcio Lemos Schramm, avaliou o encontro como produtivo. Mesmo sem a promessa de isenção da taxa de estacionamento, os motoentregadores conseguiram soluções para o problema enfrentado com a cobrança dos motociclistas, o que não ocorria anteriormente.

“Nós conseguimos um espaço atrás do Mercado Público para aguardar nossas entregas. Então nós não vamos precisar pagar o estacionamento enquanto aguardamos até a chamada. Deve ser marcada uma reunião com o superintendente, porque estamos pleiteando mais 50 vagas no estacionamento do shopping para aguardar lá dentro”, frisa Márcio.

O representante dos motoboys afirma que os profissionais precisam esperar no sol e na chuva enquanto aguardam pelas entregas. Além disso, ele destaca que os motoentreadores tomam vagas da população na frente do Jaraguá do Sul Park Shopping.

“Se eles conseguirem esse espaço, eles vão liberar esse espaço para o cidadão. Isso vai melhorar o fluxo pra eles também”, frisa, ao ressaltar que os motoentregadores aguardam uma redução do valor cobrado para os motociclistas, pois cinco motos ocupam o espaço de um dos veículos. A questão da tarifa deve ser questionada na Justiça pelo advogado dos profissionais.

A CDL emitiu uma nota afirmando que apoia os motoboys e que sabe da importância da categoria para o desenvolvimento das atividades do comércio. A entidade destaca que participou de várias reuniões com representantes do Poder Público Municipal e com representantes da categoria.

“Nessas tentativas, foi conquistado com a Prefeitura de Jaraguá do Sul o aumento da tolerância inicial de tempo para motos de 10 para 15 minutos. A entidade também está intermediando uma reunião entre a direção do shopping da cidade e o representante dos motoboys que prestam serviços naquela localidade para averiguar o que pode ser feito”, ressalta a CDL.