Até o fim deste ano, a expectativa da Águas de Guaramirim é de que todas as residências estejam adequadas ao novo modelo de caixa-padrão para acomodação dos hidrômetros.

O processo iniciou ainda em 2016 já é uma realidade para 1.132 usuários. No entanto, outros 600 usuários ainda precisam padronizar a estrutura.

Processo de readequação começou em 2016 | Foto Eduardo Montecino / OCP News
Processo de readequação começou em 2016 | Foto Eduardo Montecino / OCP News

Segundo o diretor da Águas de Guaramirim, Osni Denker, a medida tem como objetivo facilitar o acesso aos hidrômetros tornando ações como manutenção e medição simples e acessíveis. Denker lembra que o prazo para adequação, que era de 30 dias inicialmente, foi estendido para 90 dias. Ou seja, segue até agosto.

“É bom lembrar que essa alteração não é cobrada. O que irá gerar um custo é a estrutura da caixa-padrão e não o serviço de ligação. A pessoa irá deixar a caixinha pronta, fixada no muro. Depois entra em contato com o nosso escritório e solicita a mudança de cavalete. Essa mudança é gratuita”, explica.

O diretor ressalta que a adoção da caixa-padrão é uma solicitação da própria Aris (Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento) que exigiu a padronização em todos os municípios, não apenas em Guaramirim.

Tendência é reduzir vazamentos

Com a padronização, além de identificar vazamentos ou fugas com mais facilidade, os funcionários da Águas de Guaramirim conseguem realizar medições e manutenções sem a necessidade de entrar no terreno e o hidrômetro fica mais protegido, ressalta Denker.

Para Jordanês de Fátima Alves Wehmuth, que mora no bairro Avaí e já instalou a caixa-padrão, não há mais preocupação em estar em casa ou abrir o portão para que os técnicos façam a leitura. “Facilita tanto para o morador quanto para o pessoal da Águas de Guaramirim”, afirma.

Novo padrão deve facilitar o serviço de medição | Foto Eduardo Montecino / OCP News
Novo padrão deve facilitar o serviço de medição | Foto Eduardo Montecino / OCP News

A moradora antecipou às mudanças e providenciou a instalação ainda em setembro, quando reformou a casa. “Antes era por dentro, então para fazer a leitura estava ficando difícil e é fácil de encontrar, tem em todos os materiais de construção”, diz.

Multa e até corte no abastecimento

Embora flexível com a adequação, que iniciou há anos, Osni Denker, diretor da Águas de Guaramirim, ressalta que a não padronização irá gerar sanções à população. Segundo ele, o primeiro passo será a aplicação de uma multa àqueles consumidores que não trocarem a instalação ao término do prazo.

“Nós vamos começar aplicando uma multa. É bom lembrar aos usuários que sem a adequação, a medição irá ocorrer sem que a leitura seja realizada, ou seja, será uma cobrança sem leitura. E o último passo será cortar o abastecimento. Não queremos chegar nessa situação, mas as sanções irão existir sim”, enfatiza.

Apesar de já estipular a cobrança de multa como a primeira consequência imposta aos consumidores que não instalarem a caixa-padrão até o final do prazo, o diretor explica que o valor ainda não foi estipulado. “Ainda não definimos, estamos buscando isso em lei para fazer tudo da forma mais correta”, salienta.

O diretor afirma que a população de Guaramirim vem sendo alertada sobre a mudança por meio de redes sociais da Prefeitura, imprensa e também em comunicado entregues junto à fatura de água.