Por Dyovana Koiwaski A safra de arroz no Litoral Norte catarinense registrou um crescimento estimado em 20% em relação ao ano passado. Os dados preliminares foram apresentados na tarde de na última quarta-feira  (28) pelo engenheiro-agrônomo da Epagri, Hector Haverroth, na Reunião Anual de Avaliação de Safra de Arroz. Novamente Massaranduba se destaca como o maior produtor da região, com uma média de 9.550 quilos por hectare. Os resultados superaram as expectativas do setor. Em janeiro, devido às chuvas, muitos rizicultores adiaram em alguns dias a colheita. A partir da metade de fevereiro os indicativos começaram a melhorar. A produção de soca também foi acima da dos últimos anos, elevando a produção final. “O acréscimo de 20% não significa que esse ano foi uma super safra. A de 2016 é que foi muito abaixo do adequado para a região, com uma queda em torno de 15%”, aponta Haverroth. No fim do ano passado, a safra ainda era incerta pelo período de clima frio que se estendeu pelos meses de novembro e dezembro. “A fase mais crítica do cultivo é a floração, que dura mais ou menos uma semana. Algumas lavouras tiveram pouca insolação, muita chuva ou frio, as condições variam conforme a localidade e diversificam os resultados”, pondera. O plantio das sementes aconteceu entre agosto e setembro de 2016. Neste ano, o tipo de grão mais usado foi o 121, que se destaca pelo seu alto desempenho na lavoura, por ser resistente a herbicidas, às doenças e ao acamamento. De acordo com o engenheiro, algumas produções foram prejudicadas pela alta incidência de percevejos. O levantamento produzido pelo órgão, que aplicou um questionário aos agricultores, apontou também uma diminuição nas aplicações de herbicidas. O estudo divide o Litoral Norte catarinense pelas regiões de Blumenau, Itajaí e Joinville. Nesta última, estão inseridos os municípios de Corupá, Guaramirim, Jaraguá do Sul, Massaranduba e Schroeder. No total, a região produziu 313 mil toneladas de arroz em uma área de 37 mil hectares, sendo 168 sacas por hectare. Cada saca está sendo comercializada por R$ 40,00. IMG_2338 Massaranduba, entre os municípios do Norte, é o que mais se destaca no cultivo de arroz, com uma média de 9.550 quilos por hectare, juntamente com Gaspar e Doutor Pedrinho. Na região Sul do Estado, que avaliou sua safra no início do mês, os números foram considerados históricos. Lá, a safra de arroz irrigado cresceu praticamente 10% em relação ao período anterior, resultando numa colheita de 736 mil toneladas. A produtividade também foi alta, chegando a 7.755 quilos por hectare, acima da média da região, que se mantém em torno de 7.200 quilos por hectare desde 2002. Capturar 1 Capturar Presidente da Arican aponta acréscimo de 25,39% O presidente da Associação dos Rizicultores do Litoral Norte Catarinense (Arican) e da Cooper Juriti, Orlando Giovanella, avalia uma alta de 25,39% na produção de arroz se comparado com a safra 2015/2016. A Arican é integrada por 23 municípios da região Norte do Estado. “Ainda estamos recebendo sacas da ressoca, mas, podemos assegurar que a produção neste ano foi muito boa, superando a do ano passado, que foi duramente afetada por problemas climáticos”, comenta Giovanella. Até agora, foram 1,5 milhão de sacas de arroz entregues na cooperativa. Para a próxima colheita, o engenheiro da Epagri, Hector Haverroth ressalta a importância dos agricultores preparem as lavouras e terem um bom manejo de safra, o que influencia diretamente na seguinte. “Além disso, o desenvolvimento dos pés de arroz depende de condições climáticas favoráveis”, salienta.