Por Dyovana Koiwaski | Foto Eduardo Montecino Os 25 dias de aflição que Márcia Maia Siqueira e Renato Ribeiro passaram na Casa São José transformaram-se em sorrisos de agradecimento. Natural do município de Agudos do Sul, no Paraná, o casal acompanhou de perto cada estágio da recuperação do filho, Higor Siqueira Ribeiro, 17 anos, internado em estado grave no Hospital São José. Os paranaenses foram os primeiros a se hospedar na casa de passagem no começo de abril e durante quase um mês adotaram a cidade desconhecida como lar. “Apesar da angústia inicial por estar em um lugar totalmente diferente, fomos nos ambientando e hoje pensamos até em nos mudar para cá. Recebemos muito carinho e apoio nesses dias difíceis de todos que ouviram nossa história”, conta Márcia. Higor foi encaminhado para o hospital após se ferir gravemente em um acidente entre um ônibus escolar, onde ele estava, e um caminhão na cidade de Campo Tenente, no Paraná. A colisão ocorreu quando o caminhão ultrapassou o veículo em um trecho proibido. Um estudante de 21 anos morreu e pelo menos 17 pessoas ficaram feridas. O adolescente não tem lembranças do acidente, e prefere que seja dessa maneira. No momento da colisão, por volta das 22 horas do dia 4 de abril, Higor estava dormindo no ônibus escolar. “Soube do que aconteceu apenas pelos relatos dos meus pais”, comenta. O estudante, que estava fazendo um curso pré-vestibular, ficou 16 dias em coma, dois na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) e outros sete no quarto.
IMG_4508-2
Higor e os pais se emocionaram ao reencontrar profissionais que contribuíram no tratamento |Foto Eduardo Montecino
Na quarta-feira (7), a família voltou para uma consulta de retorno com o médico que acompanha o caso. “Ver ele bem e sem sequelas é um milagre porque quando demos entrada no hospital, o estado dele era muito crítico”, destaca a mãe. Higor já voltou a escrever, a andar e a falar. “Às vezes, ele esquece algumas palavras, mas com ajuda logo se lembra. Estamos fazendo tratamento fonoaudiólogo também”, frisa o pai. Na pequena Agudos do Sul, as visitas à família no último mês viraram rotina. Nos primeiros dias, segundo Ribeiro, eram de 30 a 40 pessoas indo ver como o estudante estava. “Todos se conhecem e têm muito carinho por nós”, aponta. Recuperação é orgulho para o hospital Desta vez, a equipe de médicos e enfermeiras encontrou Higor do lado de fora da UTI. O semblante de felicidade em ver o menino recuperado era nítido e se intensificava a cada abraço. “É muito gratificante quando os pacientes voltam para nos agradecer. Ele chegou aqui muito ferido. Sua história nos comoveu, principalmente por sem muito jovem”, ressalta a enfermeira Fabiane de Faria. O neurocirurgião Mauro Grudtner acompanhou de perto a evolução do jovem. Em virtude do acidente, ele sofreu um traumatismo craniano e um afundamento de crânio. “Higor foi submetido a uma cirurgia para corrigir a lesão e a hemorragia intracraniana, além da traqueostomia para a passagem de ar”, explica o médico. Segundo o médico, o estudante vem se recuperando bem das graves lesões. Higor ainda passará por uma cranioplastia para reparar uma falha óssea causada pelo acidente. “Ele consegue se comunicar com facilidade, está voltando a ter independência e já está animado para voltar às aulas e reencontrar os amigos”, observa Grudtner. Leia mais: -  Casa São José oferece abrigo aos primeiros acompanhantes em Jaraguá do Sul