Aplicação da vacina, utilização de repelentes e antiparasitários são formas de prevenir. | Foto Eduardo Montecino/OCP News
Aplicação da vacina, utilização de repelentes e antiparasitários são formas de prevenir. | Foto Eduardo Montecino/OCP News

A Vigilância Epidemiológica confirmou o primeiro caso de leishmaniose visceral em um cachorro no bairro João Pessoa, em Jaraguá do Sul, em oito anos. O último caso registrado pelo poder público ocorreu no ano de 2011. O diagnóstico foi registrado semana passada após a realização de um laudo clínico no animal.

De acordo com a veterinária que notificou o caso, Mariana Moreira, no mês passado houve uma suspeita da doença quando ela foi atender o cão na residência do proprietário.

"Eu perguntei para o dono de onde que ele era, pois este tipo de doença não costuma ter na região. Ele disse que veio há cinco meses do Ceará com o cachorro", revela.

A doença é provocada por um protozoário e é transmitido somente por meio da picada do mosquito-palha. Além de transmitir para cães, também pode infectar seres humanos, sendo considerada uma zoonose.

Após um primeiro indício, a Vigilância Epidemiológica foi até a casa da família e coletou o sangue do animal.

As amostras foram levadas para o laboratório (Lacen), em Florianópolis, confirmando a doença, sendo necessária a aplicação de eutanásia no cão, devido ao estágio avançado da doença.

"A gente não sabe até que ponto o mosquito-palha transmitiu para os outros cachorros  e se existe na região", explica Mariana.

De acordo com o médico veterinário do Centro de Controle de Zoonoses, José Edson Rodrigues, durante a investigação, foram visitadas mais de 40 propriedades e não foi encontrado nenhum animal com características da patologia.

Rodrigues salienta ainda que a região será monitorada frequentemente. "É importante reforçar a população que a doença veio de outro estado", explica.

Como prevenir?

Segundo Mariana, por precaução, os proprietários do animal terão que passar repelente para a proteção humana.

A profissional explica que nestas situações os animais podem estar infectados, mas muitos não irão apresentar sintomas.

Sendo assim, é necessário realizar um teste rápido para o diagnóstico.

De acordo com a veterinária, a prevenção se faz a partir da aplicação da vacina que deve ser aplicada por profissionais especializados a partir dos quatro meses de vida do animal.

Logo após a dose, é importante utilizar repelentes e antiparasitários externos que tenham ação contra os mosquitos.

"Como teve um primeiro registro na cidade, a gente se preocupa que irão aparecer outros. É um caso grave de saúde pública", pontua.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?