Nessa quinta-feira (7), os coordenadores da Rede de Portais da Grande Reserva Mata Atlântica estiveram em Jaraguá do Sul. O grupo foi recebido pela Diretoria de Turismo da Prefeitura.

A Rede busca o desenvolvimento turístico da Mata Atlântica que abrange os estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

A intenção é gerar o desenvolvimento sustentável e econômico, por meio do turismo, sem prejudicar o ecossistema.

Foto: Prefeitura de Jaraguá do Sul/Divulgação

O objetivo da visita foi iniciar as tratativas para criação do Portal Itapocu junto com os município de Schroeder e Corupá.

Segundo explica o assistente de Desenvolvimento Econômico, Raul Henrique dos Santos, agora Jaraguá do Sul passa a fazer parte desse projeto de desenvolvimento turístico, a partir de atividades turísticas nas áreas de Mata Atlântica.

Foto: Prefeitura de Jaraguá do Sul/Divulgação

Durante a visita o grupo aproveitou para conhecer o Parque Malwee, Pico Malwee, Parque Natural Municipal Morro dos Stinguem – onde foram recepcionados pelo biólogo da Fujama, Christian Raboch, que apresentou o trabalho realizado no local – e à tarde conheceram o Parque da Inovação, no bairro Três Rios do Sul.

A visita terminou com uma oficina de trabalho no Centro de Inovação - Novale Hub.

Mata Atlântica

A Mata Atlântica é uma das florestas tropicais mais exuberantes do planeta. Quase tão diversa quanto a notória Floresta Amazônica, foi reduzida a menos de 13% de seu tamanho original.

A boa notícia é que ainda há um último grande remanescente em bom estado de conservação: 1.8 milhão de hectares de floresta tropical contínua com uma enorme e diversa vida selvagem, montanhas, cavernas, cachoeiras, baías, manguezais e praias do oceano Atlântico.

A Grande Reserva Mata Atlântica abriga cidades coloniais das mais antigas do Brasil, além de comunidades indígenas e históricas, todas a uma curta distância de dois dos maiores centros urbanos do país, São Paulo e Curitiba.

A combinação de riquezas culturais e de natureza com áreas densamente povoadas oferece a rara oportunidade de conservar e usufruir desta paisagem única.

Ao tornar a sua abundância de áreas protegidas na base de uma nova economia, irá beneficiar algumas das comunidades menos favorecidas do sul do Brasil.