“Eu acredito que será o ano da educação em Jaraguá do Sul”. A afirmação do secretário de educação, Rogério Jung, tem razão de ser.

O investimento previsto para a secretária no próximo ano ultrapassa os R$ 10 milhões e, ele garante, os jaraguaenses poderão ver grandes reformas e ampliações nas estruturas educacionais do município.

Além disso, Jung ressalta o investimento em tecnologia e projetos voltados a atividades complementares como a iniciação científica.

Ainda neste ano, o município deve adquirir novos computadores e projetores e o secretário explica que a compra será percebida no próximo ano letivo.

“Ano que vem todas as salas de aula vão ter computadores e projetor. Já há algumas que possuem os equipamentos, mas no próximo ano, serão todas”, afirma.

O investimento gira em torno de R$ 1,1 milhão. Neste ano, o investimento total na secretaria foi de mais de R$ 5 milhões.

O secretário destaca ainda que todos os alunos da rede municipal receberão os kits de uniformes. “No primeiro dia de aula, todos os alunos vão sair com o kit de uniforme escolar com duas camisas, uma calça e uma parka”, garante.

Segundo a secretaria, foram mais de 60 mil peças compradas para garantir a distribuição aos alunos.

Planejamento para 2019

O ano letivo está prestes a terminar, mas 2019 também não demora a bater à porta dos jaraguaenses. E no próximo ano letivo, serão aproximadamente 21 mil estudantes frequentando as escolas municipais, desde a educação infantil até o ensino fundamental.

Com o encerramento do período de matrículas, a estimativa é de que o número de estudantes aumente no próximo ano letivo em relação a este ano, especialmente com a garantia do secretário de educação, Rogério Jung, de que serão pelo menos 300 novas vagas na educação infantil no primeiro semestre.

“Esse ano tínhamos pouco mais de 20,8 mil alunos e agora chegam a aproximadamente 21 mil entre educação infantil e ensino fundamental. O número deve aumentar porque no próximo ano serão criadas, metade do ano, pelo menos 300 vagas na educação infantil com a inauguração de CEI e a compra de vagas”, afirma.

A educação infantil é, inclusive, uma das prioridades da secretaria, que busca alternativas para minimizar a fila de espera que, atualmente, gira em torno de mil crianças.

O número, no entanto, chegou a ser menor na metade do ano, quando cerca de 700 crianças aguardavam uma vaga nas creches municipais.

Jung explica que no início do ano letivo é natural que a fila diminua graças às mudanças de ciclo das crianças. Além disso, o secretário afirma que, desde 2015, as filas têm se mantido e o investimento em novas estruturas e, especialmente, na compra de vagas tende a minimizar o problema.

A meta, garante o secretário, é ter uma diminuição de 50% na fila de espera até o final de 2020. “Temos conseguido manter a fila, mas a intenção é baixar essa fila até o final de 2020 em pelo menos 50%”, salienta.

Edital será lançado em janeiro

O edital para compra de vagas em instituições particulares deve ser lançado em janeiro e prevê a compra de 100 vagas de berçário I e II. O secretário afirma que até julho outras 100 vagas devem ser adquiridas pelo município.

“Em janeiro sai o edital para compra de vagas na educação infantil e até fevereiro fica tudo pronto. Quando ocuparmos as vagas remanescentes com as crianças da fila, começamos a encaixar as crianças nas vagas compradas. Neste primeiro momento serão 100 vagas e na metade do ano a intenção é comprar mais 100”, diz.

Além de diminuir a fila de espera, a compra de vagas também minimiza o impacto econômico para a secretaria.

Segundo Jung, a média de investimento em cada criança matriculada e que frequenta um CEI é de R$ 1,4 mil ao mês. O edital para compra de vagas deve prever um valor de R$ 800.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?