O grupo jaraguaense Costura Solidária completou quatro anos de trabalhos no fim do último mês.

As voluntárias acreditam já terem produzido mais de 10 mil peças de roupas infantis que eram enviadas para a África e agora são vendidas em bazares ou doadas para famílias carentes.

Em 2015, durante uma conversa com uma cliente, a massoterapeuta Dária Webers, 48 anos, conheceu a história de uma idosa que morava nos Estados Unido e fazia vestidos utilizando fronhas de travesseiros para enviar para a África.

Foto Dielin da Silva/OCP News

“Com 97 anos, ela se colocou a meta de fazer um vestido por dia e até os 100 anos. Ela queria ter mil vestidos prontos e ela conseguiu”, lembra a coordenadora do grupo.

Quando soube desse caso, Dária pensou: “estou com 44 anos, quantos vestidos será que posso fazer até chegar na idade dela?”. Ela iniciou a produção sozinha. Outras mulheres ficaram sabendo da iniciativa e decidiram participar também.

As mulheres se reúnem todas as quartas-feiras no Centro Cultural Neue Heimat, na Vila Lalau, para trabalhar na criação das peças. Elas mesmas cortam os tecidos, fazem as marcações necessárias e costuram.

Da esquerda para a direira: Dária Webers, Eliane Joceli Silveira, Adriana Drechsel de Freitas, Albertina Solange Dias, Luzia Kremer e Roseli Costa Hornburg | Foto Dielin da Silva/OCP News

O grupo conta hoje com 12 voluntárias. O número, porém, não é fixo, pois algumas das participantes contribuem quando podem. “Tem algumas que não costuram sempre e outras que fazem em casa quando conseguem”, menciona a coordenadora.

Envio para a África

Em 2015, quem levou as roupas produzidas por Dária e as outras voluntárias para a África foi a atriz e apresentadora Giovanna Ewbank, que atravessou o oceano Atlântico cerca de 300 peças.

Depois disso, novas peças foram enviadas depois e, ao todo, foram quase mil. O custo, contudo, era alto de mais e o grupo soube que poderiam ajudar as crianças de forma mais efetiva com aportes financeiros.

O grupo criou então uma conta bancaria especificamente para enviar dinheiro ao outro continente.

Todo valor arrecadado com a venda das roupas e acessórios é depositado nesta conta. “Sempre que alguém nos ajuda com dinheiro, nós aumentos o valor depositado”, explica Dária.

O grupo produz bodys, lenços, toalhinhas, bolsas e até aventais | Foto Dielin da Silva / OCP News

Além de dinheiro, as voluntárias gostariam de ter mais máquinas, mais ventiladores ou até mesmo um ar-condicionado, já que o local onde trabalham é muito quente. Isso sem falar, claro, de mais pessoas para ajudar na produção.

Dária ainda comenta sobre a gratidão de realizar esse trabalho. “A gente vê o próximo com outro olhar, se sente mais útil e é muito bom ajudar outras pessoas, principalmente as crianças, que são tão indefesas", finaliza ela.

Quem quiser contribuir de alguma forma, pode entrar em contato com a coordenadora através do telefone (47) 9 9668-8983.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger