Em assembleia na terça-feira (27), o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Jaraguá do Sul e Região (Sinsep) decidiu que vai reivindicar o restante de 7,36% das perdas salariais da categoria – desde 2016 – em uma contraproposta aos 2,07% de reposição salarial ofertado pela Prefeitura de Jaraguá do Sul. Contudo, a administração municipal afirma que, no momento, não há como discutir qualquer incremento acima do já oferecido.
Quer receber notícias do OCP News no WhatsApp? Clique aqui
Os servidores que participaram da assembleia decidiram que vão continuar pleiteando o pagamento ainda neste ano da reposição integral das perdas salariais - já descontados o percentual oferecido pela gestão -, mesmo que de forma parcelada. Além disso a categoria também reivindica o resgate do vale refeição para todos os servidores. No ano passado, o governo municipal editou lei – aprovada pela Câmara de Vereadores - cortando a concessão do benefício aos servidores que ganham mais de R$ 4 mil, e criou níveis para o pagamento do benefício de acordo com a faixa salarial e carga horária de trabalho.
Como formas de mobilização, informa o sindicato, está mantido o estado de greve e a realização de um abaixo-assinado entre aos servidores, além da busca de apoio da comunidade às reivindicações. Segundo o presidente, o estado de greve no momento significa a mobilização da categoria junto à sociedade, mas que caso a situação se agrave ao longo do ano, uma possível paralisação poderá ser levada para discussão entre a categoria.
Ainda durante a assembleia, o presidente do Sinsep, Luiz Cezar Schorner, criticou a falta de negociação entre a categoria e o governo. “Eles deram 2,07% e falaram que não era para esperar mais do que isso, por isso não foi uma negociação salarial, mas uma apresentação da proposta”, observou.
O secretário de Administração, Argos Burgardt, que integra a comissão de negociação nomeada pelo prefeito Antídio Lunelli(PMDB), afirma que a proposta de 2,07% “é o limite” e que o Município não tem como ultrapassar esse valor. Além da queda na arrecadação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), o secretário justifica que o Município tem obras a entregar e precisa realizar investimentos em infraestrutura e serviços à população.
Quanto à falta de negociação criticada pela diretoria do sindicato, Burgardt diz que seria injusto chegar com uma proposta de 1% para então propor os 2,07%. O percentual corresponde à reposição da inflação (INPC) registrada em 2017. Quanto à manutenção do estado de greve e preocupação sobre uma possível paralisação, o secretário comenta que o foco da Administração, inclusive como servidores, é o de prezar pela qualidade do atendimento e serviço à população.

Negociação salarial na microrregião

Guaramirim já aprovou projeto de lei que concede 1,81% de reajuste salarial aos servidores, relativos à inflação(INPC)dos últimos doze meses. Além disso, a categoria também recebe em março a segunda parcela do resgate das perdas salariais da gestão anterior, de 2%, fechando um incremento de 3,81%.
Em Massaranduba, o governo protocolou na Câmara de Vereadores nesta semana o projeto de lei também prevendo reposição de 1,81%. Segundo o prefeito, Armindo Sésar Tassi (PMDB), a preocupação é quanto ao índice de comprometimento do orçamento com a folha de pagamento, que hoje está em torno de 52,2%. O limite máximo, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é de 54%, enquanto o limite prudencial é de 51,3%.
Em Schroeder, o prefeito Osvaldo Jurck (PSDB) prepara projeto de lei para ser enviado ao Legislativo com a proposta do governo, de repor a inflação referente a abril, data base dos servidores do município, de 2,07%. Segundo o mandatário, o governo avalia a possiblidade de conceder algum aumento real, sobretudo em razão de adequações feitas no fim do ano passado, que alterou alguns benefícios da categoria, como a concessão do reajuste por tempo de carreira, passando de biênio para triênio.
Em Corupá, o reajuste será de 2%, contendo um ganho real – acima da inflação–de0,6%, informa o prefeito João Carlos Gottardi (PP). Como o município puxou a data base da categoria de maio para março, a inflação (INPC) foi relativa a dez meses, ficando em 1,4%.  Já o auxílio alimentação recebe 6,25% de reajuste, passando de R$ 320 para R$ 340 mensais. O projeto se encontra na Câmara, e deve ser votado na próxima segunda-feira (2 de abril). Tanto em Corupá, como em Massaranduba e Schroeder, o pleito dos servidores era de 5% de reajuste.