Usuários do WhatsApp estão expostos a mais um golpe e, dessa vez, os criminosos usam um suposto processo seletivo dos Correios como isca. As supostas vagas de emprego seriam para candidatos sem experiência, que receberiam salários de R$ 1.876 a R$ 4.903. Mais de 650 mil pessoas acessaram o link em apenas 48 horas, de acordo com um levantamento feito pela empresa de segurança eletrônica PSafe no fim de janeiro deste ano. Essas armadilhas levam as vítimas a acessarem sites maliciosos e informarem dados pessoais. Além disso, podem instalar no smartphone programas desconhecidos que oferecem diversos tipos de riscos à segurança. Ao clicar no link compartilhado no WhatsApp, o usuário é induzido a preencher informações pessoais — como nome, e-mail, cidade em que reside, se é maior de 18 anos, a vaga para a qual gostaria de se candidatar e a disponibilidade de horário — para poder se cadastrar nos supostos postos de emprego. Depois, uma nova página informa que é necessário o compartilhamento com 10 amigos ou 10 grupos no WhatsApp para efetivar sua inscrição. A campanha alega ser parceira de uma página destinada a oportunidades de emprego do portal de notícias  G1 e exibe falsos comentários de usuários que afirmam ter conseguido o emprego. “Funcionou aqui e eu já começo semana que vem” e “Agendei minha entrevista, estou nervosa”. Os Correios esclareceram que não promovem anúncios sobre contratação. Os concursos públicos para preenchimento de vagas, quando abertos, têm suas informações disponibilizadas no Diário Oficial da União e na página oficial dos Correios. Segundo Emílio Simoni, diretor do DFNDR Lab, somente em janeiro foram identificadas mais de 10 ameaças ligadas a processos seletivos. “Temos percebido que os hackers estão aproveitando o início do ano, período em que muitas empresas de fato abrem oportunidades de emprego, para intensificar golpes que utilizam essa promessa”, comenta Emílio. “Reforçamos que os usuários fiquem atentos e se certifiquem sobre a veracidade de qualquer informação antes de se inscreverem e compartilharem com seus contatos”. Como se proteger de golpes no WhatsApp Não existe risco caso você somente recebeu a mensagem. O problema ocorre quando dados pessoais, como número do telefone, por exemplo, são inseridas na página desenvolvida pelos cibercriminosos. A principal dica é sempre desconfiar de promessas exageradas e checar se a informação é real no site da empresa ou do órgão do governo. Além disso, ao compartilhar o link, mais pessoas ficam expostas à campanha maliciosa. Se você já enviou a mensagem para alguém, informe que a mensagem se trata de um golpe. A ideia é evitar que o conteúdo continue sendo compartilhado no WhatsApp. Especialistas também indicam o uso de programas que contem com a função de bloqueio anti-phishing, capaz de analisar ameaças e bloqueá-las instantaneamente. *Com informações do IG Tecnologia e do portal Extra