O físico Germano Woehl Jr, fundador do Instituto Rã-Bugio, fez parte de uma equipe internacional de pesquisa que descobriu um novo estado da matéria. O grupo, formado por cientistas da Universidade de Harvard, Instituto Max Planck, da Alemanha, Universidade de Tecnologia de Viena, Áustria, e da Rice University, em Houston, Texas, provou que, em condições de frio extremas, a matéria pode atingir um novo estado físico – além dos conhecidos sólido, líquido, gasoso e plasma, que todo mundo aprende na escola. Chamado de “Polarons de Rydberg”, esse estado é criado em temperaturas extremamente baixas, quando um elétron orbita seu núcleo a uma distância tão grande que outros átomos cabem dentro dessa órbita, explica reportagem da revista Galileu. A fraca ligação entre essas partículas forma os Polarons de Rydberg. A contribuição de Woehl Jr, que também é pesquisador do Instituto de Estudos Avançados, de São José dos Campos, São Paulo, foi na área experimental de tecnologia de Lasers, realizada durante seu estágio de pós-doutorado com bolsa do CNPq nos laboratórios do professor Thomas Killian, da Rice University, onde o experimento foi realizado. O cientista conta que trabalhou na preparação dos feixes de lasers para aprisionar os átomos e resfriá-los a temperaturas próximas do zero absoluto (-273,15 °C ou zero Kelvin) para obter a condensação de Bose-Einstein com geometrias especiais e observar a formação desse novo estado. “O fenômeno conhecido como condensação de Bose-Einstein dos átomos só ocorre em temperaturas tão baixas que só existiram no início da formação do Universo e nestas condições a matéria exibe um comportamento puramente quântico, que é um tipo de material com propriedades ‘mágicas’ que o homem nunca sonhou em colocar as mãos”, afirma Woehl Jr, destacando que, com o avanço da ciência, os chamados estados exóticos da matéria estão sendo descobertos. Quer receber as reportagens do OCP Online no WhatsApp? Basta clicar aqui