Com a chegada do frio intenso na região, o volume de doações de sangue caiu drasticamente em Jaraguá do Sul, segundo informações do Hemosc. Na semana passada foram registradas 85 doações na unidade de coleta do município, uma queda de 16% em relação à média contabilizada no mês de maio, que foi de 102 coletas por semana. Em períodos de movimento normal, a unidade costuma receber entre 25 e 30 doadores por dia, podendo alcançar mais de 600 doações em um mês. De acordo com a enfermeira responsável pela unidade, Raquel Ribas, além das baixas temperaturas, outros dois fatores contribuem para a redução nas coletas: a vacinação contra a gripe e as enfermidades de inverno. “Após tomar a vacina da gripe, existe um período em que não se pode doar sangue. Se for a tetravalente, por exemplo, esse prazo é de um mês. Além disso, pessoas com problemas de saúde comuns no inverno, como gripes, crises de renite e dores de garganta, não podem efetuar uma doação”, explica. “De qualquer forma, a queda brusca da semana passada nos preocupou”, complementa. Consciente da importância de doar sangue, a jaraguaense Sônia de Souza, de 38 anos, não se deixou abalar pelo ar gelado e pelas temperaturas baixas da manhã de ontem (13). Logo cedo, a moradora da Ilha da Figueira se dirigiu ao Hemosc, onde doou sangue pela segunda vez. “Eu vi no posto de saúde que estavam precisando e resolvi fazer minha parte. Além de ajudar alguém, um dia uma pessoa que conheço também pode precisar. É algo rápido, seguro, que não dói nada e pode salvar vidas”, afirma Sônia. Em Jaraguá do Sul, mais de 65% das pessoas são doadores de repetição, ou seja, já haviam doado sangue anteriormente. Entre o início de janeiro e a semana passada, 1.879 pessoas doaram sangue na cidade. No ano passado, foram registradas 1.737 doações no mesmo período. Apesar dos resultados positivos na maior parte do ano, Jaraguá do Sul ainda possui índices de doação de sangue abaixo do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No ano passado, 2,3% da população jaraguaense doou sangue (3.910 pessoas), enquanto a recomendação da OMS é de que 3% a 5% dos habitantes sejam doadores. Ainda assim, o município está acima da média nacional, que é de 1,9% da população. A expectativa é que este ano passe dos 5 mil. Em Santa Catarina, os índices de doação de sangue tiveram queda de cerca de 30% com a chegada do frio, em relação a outros meses do ano. Segundo o Hemosc, no ano passado 130.515 pessoas realizaram doação no Estado, o que fica dentro da média nacional de 1,9% da população. Para doar sangue, uma pessoa leva em média 50 minutos, entre os processos de cadastramento, exames e coleta. Só a retirada do sangue leva entre cinco e 12 minutos. Conforme Raquel, cada pessoa pode doar uma bolsa por vez, que varia entre 420 e 470 ml, quantidade que não ultrapassa 10% do volume do corpo e não é prejudicial ao doador. Os homens podem doar sangue quatro vezes por ano e as mulheres três. Em Jaraguá do Sul, os agendamentos são feitos diariamente, das 7h às 11h30, sendo que são atendidas até 30 pessoas por dia. No site do Hemosc, é possível conferir as restrições e condições para efetuar uma doação, acessando o link www.hemosc.org.br/doacao-de-sangue.