Na manhã desta sexta-feira (25) reuniram-se representantes da Secretaria de Assistência Social e Habitação, do Conselho Municipal do Idoso (CMDI) e do Instituto Anima Sociesc de Inovação, Pesquisa e Cultura, para uma apresentação prévia do estudo diagnóstico da população idosa de Jaraguá do Sul.

Trata-se de uma pesquisa de técnico-científica que elucida demandas, conhece a realidade e propõe ações de atendimento às necessidades apresentadas no município.

O levantamento inédito envolve uma amostra de 10% das 17.325 pessoas com mais de 60 anos da cidade, seguindo o cadastro do sistema Olostech, base 2020. O projeto inicial envolve 958 mulheres (55,32%) e 774 homens (44,67%), com pesquisa aplicada a partir de agosto do ano passado e com previsão de realização de 12 meses. O investimento é de R$ 219.461,83, com recursos do Fundo Municipal do Idoso (FMDI), por meio de edital de Chamamento Público.

De acordo com o professor do curso de fisioterapia e doutor em neurociências, Tiago Souza dos Santos, foram entrevistadas, nesta terceira semana, 415 pessoas e a previsão é de que o universo da pesquisa seja concluído em 20 de agosto.

Treze bolsistas da extensão da universidade, supervisionados por quatro professores, um sociólogo, um assistente social e um estatístico, aplicam o questionário, que envolve questões sociais, de saúde, educação e lazer do idoso.

"Vale lembrar que nossos alunos ligam, identificam-se e falam o nome da pessoa a ser pesquisada, distanciando desconfianças em relação a possíveis golpes. Não coletamos dados pessoais, nem bancários”, esclarece o professor.

Quando compilados, os dados permitirão um olhar sobre os fatores que afetam ou facilitam a vida dos integrantes da terceira idade da cidade.

Algumas conclusões citadas pelo professor indicam, ainda que parcialmente, que uma a cada três mulheres fala mais um idioma, com predominância para o alemão e o italiano.

“Esse é um fator importante, pois retarda as doenças neurológicas".

O arranjo domiciliar, em muitos casos, envolve apenas o casal, o que denota uma autonomia financeira e qualidade de vida muito parecida com países desenvolvidos. O valor da remuneração das mulheres já pesquisadas é de um salário mínimo, sendo complementada com o salário do marido, já que muitas delas chegaram à aposentadoria por idade.

Outro dado interessante aponta para o fato da metade dos entrevistados praticarem atividades físicas, porém pouco utilizam os espaços públicos para esta finalidade.

Para o secretário de Assistência Social e Habitação, André de Carvalho Ferreira, trata-se de um momento bastante importante para a secretaria, uma vez que a temática vem sendo tratada desde 2017, quando o trabalho estava orçado inicialmente em cerca de R$ 500 mil.

“Ao longo do tempo, a proposta foi amadurecendo e conseguiremos realizá-la com economia. Vamos identificar como vivem os idosos da cidade para, a partir destes dados, propor políticas e ações que atendam estas necessidades e demandas”, explica.

Foto: Divulgação/PMJS

A assinatura do Termo de Colaboração, prevista inicialmente para março de 2020 ocorreu remotamente em 30 de julho do ano passado, com representantes legais do Instituto, de Belo Horizonte (MG) e com grupo do polo de Jaraguá do Sul, além de integrantes da Secretaria de Assistência Social e Habitação e do Conselho Municipal do Idoso (CMDI).

Desde então, houve planejamento da pesquisa, levantamento de dados relacionados aos idosos junto a órgãos governamentais como secretarias municipais de Saúde, Assistência Social e Habitação, Educação, Cultura Esporte e Lazer, Ministério Público, delegacias, entre outros. O acompanhamento de todas as fases do diagnóstico é acompanhado pelo CMDI e pela Secretaria de Assistência Social e Habitação, da qual o conselho é ligado.

Os recursos são do Fundo Municipal dos Direitos do Idoso (FMDI), que tem como principal fonte doações por meio do Imposto de Renda. Pessoas físicas podem doar até 3% do imposto devido como forma de dedução, desde que declaração seja no modelo completo. Os valores arrecadados financiam projetos voltados ao atendimento dos idosos de Jaraguá do Sul.

Objetivos específicos da pesquisa social:

* Construir o perfil socioeconômico e sociodemográfico da pessoa idosa do município de Jaraguá do Sul;
* Avaliar a autonomia e o protagonismo da população idosa;
* Apontar as condições de saneamento;
* Identificar como estão, onde estão, como vivem e como estão sendo atendidos em seus direitos;
* Avaliar as percepções e os gastos em saúde da população idosa e a utilização dos serviços de saúde.
* Avaliar a participação da população idosa em atividades educativas, esportivas, culturais e lazer;
* Avaliar a inclusão do idoso na relação idoso-família e idoso-sociedade;
* Avaliar as condições habitacionais e a mobilidade urbana.
* Levantar a demanda de atendimentos de idosos nos serviços públicos governamentais e não-governamentais;
* Identificar as demandas e necessidades da população idosa do município de Jaraguá do Sul;
* Produzir análise conclusiva e propositiva com ações de enfrentamento a partir dos dados pesquisados;
* Realizar impressão gráfica conclusiva sobre a pesquisa, em formato de caderno;
* Apresentar as conclusões da pesquisa para a Rede de Serviço de Atendimento à Política do idoso e comunidade em geral.

*Com informações de assessoria de imprensa.