Em cerca de quatro meses de trabalho, 20% da estrutura da nova estação de tratamento de água (ETA) do Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto) de Jaraguá do Sul está de pé. O ritmo da construção na área de 4.977,27 metros quadrados, localizada na sede, no Bairro Água Verde, segue acelerado. Uma média de 150 trabalhadores foram colocados no canteiro de obras pela empresa responsável, a Elevação Engenharia, de Curitiba. O diretor presidente do Samae de Jaraguá do Sul, Ademir Izidoro, enfatiza que “apesar da crise econômica, a obra do Samae está empregando, a pleno vapor”. Percorrendo o canteiro, é possível constatar a movimentação constante dos operários e das máquinas. Entre as adequações inseridas ao projeto original, Izidoro exemplifica a sugestão da subida em um metro do platô, para impedir nível de enchente do rio. “O projeto tem que ser melhorado para melhorar a estrutura”, justifica o diretor do Samae. “Por ser uma obra pública de grande porte, e pelo que se vê pelo Brasil, o Samae conseguiu trazer uma empresa com renomadas obras de saneamento”, opina Izidoro. O mestre de obras João Eliziário de Araújo explica que além do fundamento com armadura de metal, a obra está na segundas etapas da concretagem. “Está bem tranquilo, dentro do cronograma”, confirma. A jornada de trabalho tem sido de oito horas, todos os dias da semana. A engenheira civil da superintendência regional da Caixa Econômica Federal, Rosane Duarte, responsável pelo acompanhamento, confirmou que o andamento da construção está aprovado. “A obra está muito bem executada, em ritmo acelerado. É a maior obra financiada na área de saneamento na macrorregião”, confirma. Com a entrega do novo empreendimento, prevista para acontecer em dezembro de 2017, a capacidade da ETA central será praticamente triplicada, passando de 375 litros de água tratada por segundo para mil litros. O investimento é de cerca de R$ 31 milhões, recurso do município que foi financiado em 20 anos pela Caixa Econômica Federal, com carência de quatro anos, mais R$ 3 milhões de contrapartida da Prefeitura de Jaraguá do Sul. A administração municipal já havia investido R$ 1,1 milhão na desapropriação do imóvel.