Em uma audiência pública realizada ontem (12), técnicos da Amvali (Associação dos Municípios do Vale do Itapocu) explicaram e apresentaram estudos sobre o uso turístico do Morro Boa Vista.

A reunião foi voltada especialmente aos interessados no edital de chamamento público que busca empresas para a prestação de serviços de operação e manutenção no local e arredores.

A intenção é encontrar um projeto que faça obras de modernização no Morro Boa Vista, controle o acesso de veículos e criação de linha de transporte público.

Segundo o diretor executivo do Consórcio Intermunicipal de Gestão Pública do Vale do Itapocu (Cigamvali), Fenísio Pires Junior, as melhorias devem abranger todo o entorno do morro, incluindo os bairros Ilha da Figueira, Vila Nova, Ribeirão Wilde, Rio Molha, Figueirinha, em  Guaramirim, e Jacu-Açu, em Massaranduba.

Pires Junior explica que foi lançada uma Proposição de Manifestação de Interesse (PMI) para quem deseja atuar no ponto turístico.

As empresas precisam apresentar as propostas envolvendo os principais problemas do local: transporte público de acesso e subida ao morro, controle no número de veículos que fazem o trajeto, construção de estacionamento e obras estruturais.

"Foi feito um estudo de capacidade de carga e o número de carros subindo o morro no fim de semana é excessivo, chega a gerar filas. A rua também não é muito larga e muitas pessoas moram e transitam na região a pé ou de bicicleta, existe um risco e por isso é necessário fazer o controle. Mas para isso precisamos oferecer transporte e estacionamento para deixarem os veículos", explica o diretor executivo.

O diretor executivo ainda comenta que deve ser feita uma sinalização padrão em todo o entorno do Morro Boa Vista e que o estudo para criação de um parque ecológico está em andamento. Conforme o diretor, o local ainda precisa de estrutura como banheiro e bebedouros.

"Pensamos em fazer trilhas sinalizadas e construir um mirante. A ideia é explorar o potencial turístico de todo o entorno e não só do morro, como as capelas do Rio Molha e o cicloturismo", aponta.

Cada empresa ou pessoa física pode elaborar o projeto de uma forma completa e que inclua esses itens ou alguns deles. "Quem tem interesse pode dar um visão completa de como iria funcionar, até economicamente", observa.

De acordo com o diretor, dez empresas já retiraram o edital, lançado no dia 22 de novembro. Os projetos podem ser apresentados até o dia 21 de dezembro. No dia 10 de janeiro, será feita uma visita técnica com os interessados no local.

A proposta deve ser lançada até o dia 20 de março. As ideias ficarão disponíveis para consulta pública por 30 dias. Em abril deve ser feita a escolha do melhor projeto.

Com as propostas, deve ser definido se o processo de execução será feito por parceria público privada ou concessão pública.

Moradores a favor de melhorias

Nos últimos anos, os moradores do Morro Boa Vista viram o movimento de veículos crescer significativamente por conta da procura de turistas.

O comerciante Sérgio Klimekowski, que também viveu seus 51 anos no bairro, garante que o maior problema é o tráfego intenso à noite. "É bem bagunçado, tem muito carro e moto, eles descem rápido", avalia.

Klimekowski aguarda ansioso pelas mudanças | Foto Eduardo Montecino/OCP News

Klimekowski diz que a concretagem da rua ajudou bastante, mas sugere a instalação de lombadas para os motoristas andarem mais devagar. Outro ponto visto como essencial pelo comerciante é a vigilância no Morro no período noturno, principalmente na Chiesetta Alpina e nas antenas.

"Eu pretendo ampliar minha lanchonete, então acho positivo eles quererem investir na estrutura, só não podem esquecer da comunidade", pontua.

A moradora Marili Rodrigues também considera positivas as mudanças no Boa Vista e comenta que o ponto turístico precisa de melhorias. "Tem que ter um lugar para comprar água e alimentos lá em cima", completa.

Últimas obras

Neste ano, a concretagem da rua Domingos Rosa e do acesso à Chiesetta Alpina foi entregue contemplando 2.400 metros de extensão, entre a Igreja São Benedito e a entrada da fazenda da família Spézia.

Foram investidos R$ 984 mil, por meio de emenda parlamentar do deputado federal Mauro Mariani. A contrapartida da Prefeitura foi o valor de R$ 9,9 mil, mais os trabalhos de alargamento, terraplanagem e instalação da drenagem no trecho.

Apenas seis anos depois de sua inauguração, a Chiesetta Alpina figura entre os principais roteiros religiosos de Santa Catarina.

O destino está em segundo lugar, de acordo com informações do Instituto Chiesetta Alpina, somente atrás do Santuário da Madre Paulina, em Nova Trento. Em 2016, mais de 20 mil pessoas de todos o Brasil e de mais de 26 países passaram pela igrejinha no alto do Morro Boa Vista.

O ambiente vem passando por constantes melhorias. O telhado estrutura já foi refeito, a torre foi melhorada e alguns reparos internos e externos estão sendo realizados.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?