O Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) prometeu para o fim de fevereiro a conclusão do viaduto na Avenida Waldemar Grubba, no acesso aos bairros Vieira e João Pessoa, em Jaaguá do Sul. Na terça-feira (19), o superintendente do órgão em Santa Catarina, Vissilar Pretto, por meio do diretor regional e responsável técnico da empresa, Wolney Moreira da Costa, afirmou que “a empresa EPT Engenharia, responsável pela execução Viaduto da Avenida Waldemar Grubba, em Jaraguá do Sul, trabalha para concluir a obra até o final de fevereiro”. Para isso, Costa enfatizou a necessidade de tempo bom na região, porque são necessários de três a cinco dias de tempo seco para iniciar os serviços de recebimento da camada asfáltica. Por enquanto, são executadas as calçadas e muros. “O Dnit-SC encaminhou as medições para Brasília, que vêm repassando os valores devidos, por ordem cronológica de serviços prestados em todo o Brasil, e conforme disponibilidade de recursos financeiros e liberação pelo Tesouro Nacional”, assinalou o órgão sobre os repasses financeiros à empreiteira. Segundo o vereador Pedro Garcia (PMDB), que esteve em audiência na última segunda-feira (18) com a engenheira civil Flora Grando Santos, do Dnit de Joinville, os pagamentos estão programados. “A engenheira respondeu que foi efetuado um pagamento em dezembro e outro está programado para 25 de janeiro, e que aí a empresa deverá retomar os trabalhos”, afirmou. Outra obra Ontem, empresa terceirizada pelo Dnit realizava limpeza emergencial na retirada de entulhos no Ribeirão Cavalo, que com as chuvas causam o transbordamento de bueiro às margens da BR-280, fazendo as águas atingirem o pátio do Condomínio Parque Jaraguá Dante Minel. Na reunião com a Superintendência Regional do Dnit em Joinville, foi apresentado um relatório que reivindicava providências relacionadas à obstrução de boca-de-lobo (entre a rotatória, no km-75 da BR-280, e o crematório), onde ocorre a passagem das águas do Ribeirão Cavalo. “Esse bueiro não suporta o grande volume de águas, cada vez maior, e já foram enviados vários ofícios, moções e solicitações que ainda não foram atendidas. Automaticamente, os estragos e prejuízos aumentam no entorno”, justifica o vereador Pedro Garcia (PMDB).