Com um espaço amplo e ainda pouco utilizado, a rodoviária oferece uma estrutura atrativa para órgãos e entidades que buscam a ampliação e reestruturação de suas atividades. Pensando nisso, a Prefeitura estuda a possibilidade de realocar instituições públicas municipais e estaduais e transformar a estrutura em um grande complexo de serviços para a comunidade. Além do Sine (Sistema Nacional de Emprego), que começa a atender na nova sede na próxima segunda-feira (25), a administração reservou uma sala para a Fatma (Fundação do Meio Ambiente do Estado), segundo informações do diretor de patrimônio do município, Onésimo Sell. “Temos uma sala de 170 metros quadrados que será utilizada pela Fatma. Estamos aguardando agora a finalização dos trâmites internos da entidade para definir quando e de que forma será feita a mudança de endereço”, detalha. A expectativa é que a realocação aconteça ainda este ano. Conforme Sell, o novo espaço forneceria uma infraestrutura mais adequada às necessidades da entidade. “O espaço utilizado hoje é pequeno e dificulta o trabalho. O acúmulo de processos já passa de dois mil, segundo a informação que nos foi passada”, diz ele. De acordo com Sell, por enquanto a Prefeitura ainda estuda quais órgãos poderiam fazer melhor uso do espaço. Entre os fatores levados em conta estão os custos do poder público com os alugueis e o aumento na eficiência do atendimento. “A proposta é facilitar o acesso ao munícipe, em um espaço com estacionamento, banheiro, lanchonete, caixa eletrônico, bem localizado e de fácil acesso. Ou seja, fazer ficar mais funcional, melhorar o espaço e fazer com que seja mais bem utilizado”, comenta Sell. Segundo ele, a ocupação das salas livres no prédio também é positiva para quem trabalha na localidade. Somente o Sine deve gerar uma movimentação de mais de 1,2 mil pessoas por mês na rodoviária, com base nos números registrados pela entidade no ano passado. Com exceção da Fatma, que analisa mudar-se ainda este ano, o diretor de patrimônio preferiu não divulgar o nome dos órgãos que podem vir a integrar o espaço da rodoviária. Terreno nos fundos foi cedido Outro órgão que pode vir a utilizar o espaço da rodoviária é o Ministério do Trabalho. Neste caso, porém, estuda-se a construção de um prédio em um terreno localizado nos fundos do prédio. Segundo o secretário de Gestão e Finanças, Ademar Possamai, o órgão sinalizou interesse na obra, mas a proposta segue sob avaliação. “Essa ideia já vem de outras gestões, sendo que a Prefeitura cedeu o terreno para uso do MT”, explica o secretário. O poder público também cogitou instalar a Delegacia Regional de Polícia Civil no mesmo terreno, mas a ideia foi descartada devido à demanda do MT. “No momento estamos procurando outro local para a construção da nova sede, porém não temos nada em vista”, detalha o delegado regional, Uriel Ribeiro. Com uma nova estrutura, seria possível eliminar os custos com locação da Delegacia da Mulher e da Divisão de Investigação Criminal, que seriam transferidas ao prédio onde funciona atualmente a Regional.