Jaraguá do Sul teve crescimento populacional de mais de 15% nos últimos cinco anos. Os 148.353 habitantes de 2012 se transformaram em 170.835 em 2017, segundo a estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Já o transporte coletivo não tem motivos para comemorar. Indo na contramão, a demanda de usuários do serviço de ônibus em Jaraguá do Sul teve queda de 21% no mesmo período. https://ocponline.com.br/vinte-linhas-de-onibus-terao-horarios-alterados-partir-de-quinta-feira/ O resultado desta queda é visto diariamente no trânsito da cidade. A frota de veículos rodando pelas ruas de Jaraguá cresceu pouco mais de 23% – também em um período de cinco anos, mas entre 2011 e 2016, último dado disponível pelo IBGE. Para efeito comparativo, a cidade ganhou quase um carro para cada novo habitante. Usuária de ônibus em Jaraguá do Sul, Gabriela da Silva, 20 anos, está prestes a enxugar o número do transporte e acrescentar à frota de veículos. Para ela, o valor cobrado afasta os usuários e faz com que a ideia de ter um carro comece a ser mais atrativa. “Essa queda tem muita relação com o valor da passagem. Quando você coloca na ponta do lápis compensa usar um automóvel. https://ocponline.com.br/motorista-de-onibus-decide-levar-espirito-natalino-aos-passageiros-de-guaramirim-e-jaragua-do-sul/ Andar de carro está sendo mais vantajoso do que utilizar o ônibus e deveria ser justamente o contrário”, afirma. Outro fator que, acredita Gabriela, é determinante para esta queda é o transporte alternativo, como a utilização do Uber, que também acaba sendo mais econômico em muitas situações. Gabriela avalia que, para aumentar o número de usuários, a concessionária deveria apostar na qualidade do atendimento e oferecer maior número de linhas aos usuários, embora ressalte que aquela utilizada por ela possui diversos horários.
“Para a minha linha está bom, temos muitos horários, mas eu acho que talvez, para minimizar esse impacto de queda, a empresa pudesse colocar mais linhas. Ao invés disso estão mudando algumas coisas e nisso eles não pensam, nos usuários, apenas no financeiro. Não pensam alternativas para atrair os usuários”, enfatiza.
Para Zenilda Andrade, de 45 anos, um dos fatores que podem ter influenciado nesta queda no número de usuários é que o serviço não atende às necessidades da população. Segundo ela, os horários são escassos, o que faz com que a população procure métodos alternativos ou a aquisição de um veículo.
“É ruim porque são poucos ônibus, poucos horários e, além disso, o preço está bem salgado. Eu acho que é por isso, é muito caro e as pessoas não querem mais pagar por algo que não atende às suas expectativas”, pontua.

Crise econômica impactou sistema de ônibus em Jaraguá do Sul, diz Canarinho

O diretor administrativo concessionária do transporte coletivo na cidade, a Viação Canarinho, Décio Bogo, acredita que crise econômica do país teve impacto direto nos serviços, como o transporte. Além disso, Bogo concorda que o crescimento da oferta de transportes alternativos locais e facilidade de acesso aos financiamentos de veículos colaboram para a diminuição no número de usuários. O diretor nega que tenha havido suspensões de linhas e afirma que os reajustes são inevitáveis, mas que não são tão sentidos pelos usuários.
“Vale destacar que não houve suspensão de linha e horários no sistema nos últimos anos e o aumento da tarifa impacta num primeiro momento na demanda de pessoas que pagam a passagem embarcada, pois a grande maioria dos usuários de ônibus em Jaraguá do Sul possui o benefício do vale-transporte e aí são as empresas que compram os créditos. Os custos aumentaram muito nos últimos meses, por exemplo, diesel, insumos, pneus, entre outros, o que torna inevitável os reajustes para a manutenção e qualidade na prestação do serviço”, explica.

Leia também: