A Federação Catarinense de Municípios (FECAM), será a primeira entidade municipalista a assinar protocolo de intenções com o Instituto Butantan para acesso à Coronavac. Um protocolo de intenções para a compra do medicamento será assinado nesta quinta-feira (10), em São Paulo.

Um dos fatores que contribuíram para assinatura do acordo é o custo da vacina. As duas doses previstas para imunização, de acordo com o consultor em saúde da entidade e ex-prefeito, Jailson Lima, custam em média R$ 60 (R$ 30 cada dose). “De todas que se anunciam próximo a uma aprovação pela Anvisa, é a mais barata e mais fácil de logística e armazenamento”, acrescenta Lima.

 

Temperatura de geladeira

Segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, a vacina Coronavac poderá ser distribuída em todos os municípios brasileiros, independente das suas condições, sem complicações em relação a logística e conservação.

A Coronavac é adaptada às condições brasileiras, pode ser transportada a temperatura de geladeira (de 2 a 8 graus), tem validade longa de três anos e pode ficar até 27 dias em temperatura ambiente (fora da geladeira) sem perder as suas características.

Grupos prioritários

Qualquer vacina hoje, mesmo que aprovada pela Anvisa, não deverá ser disponibilizada a toda a população. Caberá atender num primeiro momento grupos prioritários, de acordo com critérios a serem definidos em plano de imunização.

 

 

Quer mais notícias do Coronavírus COVID-19 no seu celular?

Mais notícias você encontra na área especial sobre o tema:

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp