Engana-se quem pensa que no verão está a salvo das temidas doenças respiratórias. É que elas também são bastante comuns durante a estação mais quente do ano e, nas últimas semanas, estão levando um número ainda maior de pacientes aos consultórios médicos.

Segundo o otorrinolaringologista Marcio Freitas, as oscilações frequentes nas temperaturas registradas em Santa Catarina vêm aumentando a quantidade de casos de IVAS (Infecções das Vias Aéreas Superiores).

Além disso, com o calor, o uso do ar condicionado é ainda mais intenso, assim como se manter em ambiente fechado por longos períodos para fugir do sol. Juntas, essas situações formam um gatilho para doenças como pneumonia, gripe, sinusite e bronquite.

Como agravante, a umidade intensa que já é rotina no ar de Jaraguá do Sul e região aumenta a chance de propagação de partículas de vírus. Por isso, conforme o médico, é necessário tomar cuidados adicionais na rotina para evitar os problemas, que podem ser ainda mais graves em crianças e idosos.

“Precisamos evitar choques térmicos, ar muito gelado e ambientes nos quais ficamos confinados com muitas pessoas”, explica. Outra dica do especialista é prestar atenção aos cuidados com a higiene, mantendo as mãos sempre limpas. Ele ainda enfatiza que, mesmo no calor, casas e escritórios devem ser arejados e, de preferência, receber sol.

Nos casos mais graves, as doenças respiratórias levam à febre alta, falta de ar e prostração. Em geral, também ocasionam tosse, secreção nasal, dor de cabeça e chiado na respiração.

O tratamento exige medicação adequada e, muitas vezes, antibióticos. Por isso, é recomendado consultar um médico quando os primeiros sintomas aparecerem.