Aparentemente eles são inofensivos e estão ao alcance das mãos em praticamente todos os estabelecimentos comerciais. Restaurantes, lanchonetes, padarias ou cafés.

Os canudinhos plásticos por vezes passam despercebidos tamanha a naturalidade com que os encaramos. Mas, para as espécies marítimas eles não passam despercebidos e muito menos são inofensivos.

De acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas), todos os anos cerca de 8 milhões de toneladas de lixo plástico vão parar nos oceanos e os canudos representam 4% desse total. Esse lixo prejudica mais de 600 espécies e 15% estão em extinção.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Com esse cenário nada inofensivo dos canudinhos, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro saiu na frente no país e aprovou, na última semana, uma lei que proíbe o uso de canudos plásticos em bares, restaurantes e quiosques da cidade.

A implementação depende agora da sanção do prefeito Marcelo Crivella. Em Santa Catarina, Florianópolis começa a discussão de lei semelhante.

Pouca discussão em Jaraguá do Sul

Segundo o presidente da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, Anderson Kassner, ainda não há nenhum projeto tramitando neste sentido no municípios, mas ele ressalta a importância de discutir e analisar ações que tenham como objetivo a preservação do meio ambiente.

Na prática, a utilização de canudinhos plásticos é, para o caixa Guilherme Santana, um luxo. Segundo ele, que já trabalhou em diversos comércios no município, as pessoas que ainda utilizam o canudinho o fazem por comodismo e “costume”.

“Não é uma necessidade, já trabalhei em outros restaurantes e muita gente não usa. Se não tiver na mesa e o garçom não oferecer, as pessoas não usam”, ressalta.

Segundo ele, na padaria em que trabalha no Centro da cidade, são cerca de 40 canudinhos utilizados diariamente e esse número poderia ser ainda menor.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Para ele, pode parecer pouco e um detalhe, mas a eliminação do uso pode fazer uma grande diferença. “É completamente desnecessário, estamos poluindo cada vez mais, se não tiver, não vai influenciar”, avalia.

Para ele, falta conhecimento da população a respeito da quantidade de canudos que acabam virando lixo e o quanto isso impacta no meio ambiente.

Por serem feitos de plásticos polipropileno e poliestireno, os canudinhos não são biodegradáveis e podem levar mais de 450 anos para a completa decomposição.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Assim como Guilherme, Jaciel Matheus Chiari, proprietário de uma pastelaria no Centro, também concorda com a proibição, embora disponibilize canudinhos no seu estabelecimento.

“Eu sou favorável a proibição e acredito que assim o cliente acaba por aderir também. Tudo que é melhor para a nossa cidade, por que não realizar? Assim, acabamos sendo forçados a pensar em alternativas”, ressalta.

Na pastelaria, são cerca de 300 canudinhos utilizados todos os dias. Para Chiari, hoje o maior impedimento para substituir os tradicionais canudinhos de plásticos é o custo de produtos reutilizáveis.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

“Para mim hoje, além do valor ser superior, a oferta de produtos alternativos também seria um impeditivo”, afirma. Para ele, caso a proibição “pegue” no país, o custo pode diminuir e a oferta aumentar por opções alternativas, como os canudinhos de papel, silicone, vidro, metal, bambu e palha.

Para Angela Barichello, proprietária de um restaurante no Centro da cidade, o custo também acaba se tornando um obstáculo para a substituição, embora o estabelecimento já tenha realizado uma campanha “modesta” para conscientizar os clientes a não usar os canudinhos.

“Tentamos fazer um tempo atrás uma campanha modesta, com cartazes e estimulando os clientes a não usar. Até paramos de levar o canudinho com as bebidas e, embora eles tenham elogiado a iniciativa, não pararam de pedir”, conta.

Fujama aposta em educação ambiental nas escolas

O município está um pouco distante do oceano, mas para Christian Raboch Lempek, chefe de educação ambiental da Fujama, a discussão em torno do lixo plástico é fundamental em longo prazo.

Para ele, que é completamente favorável a proibição e vê com bons olhos os projetos apresentados em outros municípios brasileiros, é necessário investir em educação ambiental nas escolas para conscientizar as crianças, adolescentes e jovens sobre o impacto que um “simples” canudinho pode ter sobre a vida marinha.

“É um material poluente que ao cair no mar demora muito tempo para degradar. Ele consegue entrar em vias aéreas e no estômago dos animais. No estômago ele dá a sensação de saciedade fazendo com que os animais, inclusive, morram de fome”, explica.

Ressaltando a importância de procurar opções alternativas, como o canudinho de papel degradável, Lempek conta que as palestras realizadas pela Fujama abrangem todos os resíduos, explicando aos alunos que o que é descartado aqui pode parar no oceano e o impacto acaba refletindo muito anos depois com a não degradação deste material.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Além disso, o chefe de educação ambiental chama atenção ainda para a matéria-prima do plástico: petróleo.

“O plástico é feito de petróleo e é sempre bom lembrar que, além de todo o impacto ambiental causado pelo plástico, o petróleo é um recurso natural limitado”, finaliza.

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?

Região de Jaraguá do Sul - Clique aqui

Região de Joinville - Clique aqui

Região de Florianópolis - Clique aqui