O cenário de mato alto e a fachada acinzentada dos muros do cemitério do Centro, na rua Procópio Gomes de Oliveira, chamava a atenção de quem passava pela via, mas aos poucos começa a mudar. Desde a segunda-feira, apenados do Presídio Regional de Jaraguá do Sul fazem a roçagem e limpeza do espaço, com previsão de que o serviço termine hoje, em preparação ao Dia de Finados. Já a pintura muros terá que esperar mais um pouco. “Não vai precisar pintar agora, até pela situação financeira, que está complicada”, argumenta o chefe dos cemitérios municipais, Arlindo Hafermann. Na terça-feira (17) pela manhã, parte dos trabalhadores limpava as calçadas das alas católica e protestante do cemitério, enquanto outros operavam as roçadeiras, enxadas, e se encarregavam de recolher o lixo. A jornada diária dos detentos, que a cada três dias trabalhados reduzem um dia da pena, inicia às 7h15 e vai até às 11h45. A iniciativa ocorre principalmente em função do fluxo de visitantes junto aos túmulos no próximo mês. Arlindo reconhece que desde março os sete cemitérios municipais estavam sem esse tipo de manutenção por falta de mão de obra. A retomada só foi possível após renovação do convênio entre a Prefeitura e o Departamento de Administração Prisional (Deap) do Estado. Além do Centro, os outros cemitérios sob a responsabilidade da administração municipal são: Vila Lenzi, Vila Rau, Nereu Ramos, Chico de Paulo, Jaraguá 99 e Czerniewicz, esse último tombado pelo Patrimônio Histórico. “Até o fim de semana, a intenção é que todos os cemitérios estejam limpos”, assegura. Arlindo reconhece que, com as chuvas previstas até o fim de outubro, possivelmente será preciso um reforço nos trabalhos. Ainda segundo ele, está prevista a construção de muros no Chico de Paulo, Nereu Ramos e Jaraguá 99, mas sem data definida. “Ainda não temos recurso, então esse ano com certeza não será nada nesse sentido”, disse. Prefeitura finaliza levantamento da capacidade dos cemitérios O secretário municipal de Administração, Argos José Burgardt, afirma que um rastreamento no número de jazigos e de pessoas sepultadas está em andamento. “Estamos no final do levantamento, fazendo a recontagem que antes estava anotada em cadernos, mas vai levar pelo menos mais 60 dias para se saber do espaço que temos de sobra e por quanto tempo”, afirma o secretário. “Têm locais que as famílias ocupam o mesmo espaço, e terrenos vazios que já têm proprietários”, complementa. Na administração anterior, a informação era de que a capacidade para abertura de novos túmulos estava começando a ficar comprometida na unidade da Vila Lenzi. Já o cemitério do Centro há décadas só enterra nos jazigos das famílias já instalados. De acordo com o chefe dos cemitérios municipais, Arlindo Hafermann, em Jaraguá do Sul são realizados entre 55 e 60 enterros por mês. Procura por cremação aumenta mais de 300% em seis anos A redução dos espaços disponíveis para enterros, custos de funerais e a quebra de paradigmas em relação à cremação tem aumentado a procura pelos serviços, atesta o gerente operacional do Grupo Leier, Leonardo Leier. O Crematório Catarinense em Jaraguá do Sul, iniciou atividades em dezembro de 2012, com média de oito cremações por mês no primeiro ano. Hoje são cerca de 35 serviços por mês: um aumento de mais de 300%. Uma cremação simples custa em torno de R$ 3 mil, enquanto um funeral custa cerca de R$ 1,5 mil, entre outros custos, diz Leier. “Temos mais de 27 cemitérios em Jaraguá do Sul, e uma probabilidade muito baixa de implantação de um novo. Com isso, a população está aceitando mais os serviços de cremação”, opina. Calendário para visitas e obras nos cemitérios municipaisAté 27 - Prazo para construções e reparos de túmulos. • Dia 31 - A partir dessa data, será vedada a utilização de mangueiras e lavadoras de alta pressão, sendo a limpeza permitida apenas com utilização de água em balde, escovas, vassouras e panos. • Combate ao Aedes aegypti – Serão permitidos como vasos de flores recipientes de qualquer material, desde que contenham furos na base e estejam sobre pratos cheios de areia. Materiais envolvidos em plástico não são permitidos e serão retirados após o Dia de Finados. • 6 de novembro - Retomada do período para construção e reparos de espaços funerários.