Em vez de gols, pontos, velocidade, distância ou altura, a disputa que começa nesta quinta-feira (22) na Rússia envolve a melhor execução de um trabalho profissional.

Nos próximos quatro dias, jovens com até 25 anos e que são estudantes de educação profissional de mais de 60 países, serão desafiados a confeccionar peças, coleções, programas de computador, realizar serviços, consertar aviões, enfim, desenvolver atividades típicas das 56 profissões em disputa.

Entre os 1,3 mil competidores da 45ª WorldSkills Competition, estão 63 brasileiros, incluindo nove catarinenses - todos com o sonho de chegar no topo do pódio e trazer medalha de ouro.

 

 

Cada estudante será avaliado pelos conhecimentos, habilidades e atitudes no desenvolvimento de suas atividades, dentro de padrões internacionais de qualidade.

A avaliação inclui a correta execução dos trabalhos determinados, com precisão milimétrica se for o caso, bem como a capacidade de planejamento, o uso adequado dos recursos e o comportamento de cada competidor diante dos oponentes, dos avaliadores e do público.

Participantes

Jovem trabalhando em computador
Eduardo Hermann, de Corupá, está na Rússia representando o Brasil | Foto Divulgação/José Paulo Lacerda

Allan Scholze (São Bento do Sul, em Fresagem CNC), o corupaense Eduardo Hermann (Blumenau, em Gestão de Sistemas de Redes TI), Gabriele Raiser (Blumenau, em Vitrinismo), Gabriel Hoffmann (Palhoça, em Manutenção de Aeronaves), Gabriel Ribeiro (Blumenau, em Soluções de Software para Negócios) e a dupla Raissa Marcon e Jean Carlos Novak (Florianópolis, em Cyber Segurança) compõem a maior delegação que o Senai/SC já enviou ao evento.

Além deles, duas estudantes do Senac/SC integram o time: Isadora Berti Guedes Pereira (Tubarão) competirá em Estética e Bem-estar e Jéssica Cristina de Campos (Rio do Sul), em Floricultura.

12 estados brasileiros

A delegação brasileira, que possui jovens de 12 estados, é uma das favoritas na disputa. O Brasil foi campeão em 2015, quando o torneio ocorreu em São Paulo.

Dois anos depois, o país manteve-se no pódio, em segundo lugar, na competição realizada em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Os catarinenses conquistaram uma medalha de ouro em Polimecânica e quatro medalhas de excelência.

Além do ouro em Polimecânica, com o aluno de Jaraguá do Sul Bruno Gruner, os brasileiros conquistaram medalhas de ouro em Mecatrônica, Eletricidade Industrial, Manufatura Integrada, Tornearia CNC, Automação, Escultura em Pedra e Tecnologia de Mídia Impressa, além de medalhas de prata, bronze e certificados de excelência.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Fiesc

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger