A campanha em prol do menino de 6 anos Matheus Henrique Wilbert continua. Agora com R$ 95.463 mil arrecadados, a família de São João de Itaperiú luta para conseguir o restante do dinheiro para que ele passe por uma cirurgia o mais rápido possível.

Diagnosticado com Síndrome Epilética Farmocorresistente aos 2 anos, o menino passou a ter fortes convulsões causadas por descargas elétricas nos neurônios.

A mãe, Juliana Wilpert, dedica seu tempo aos cuidados do filho | Foto Eduardo Montecino/OCP

A doença, que é hereditária, era conhecida pelo pai de Matheus, Evanildo Wilpert, pois sua tia passou a ter os mesmos sintomas aos 12 anos, mas como não tinha acesso ao tratamento necessário, faleceu aos 19 anos após passar por uma convulsão muito forte.

“Quando ele teve a primeira crise, aos 2 dois anos, eu já sabia o que vinha pela frente. Tentei me preparar ao máximo para fazer o que fosse preciso”, afirma o pai.

Tomando remédios muito fortes como o Depakene, Sonebom, Topamax e Gardenal, com doses muito altas, o pequeno Matheus anda com dificuldade, parou de falar, não consegue ir ao banheiro ou comer sozinho, coisas que conseguia até maio, quando as crises pioraram e as doses dos medicamentos precisaram ser aumentadas.

A cirurgia passou a ser a única esperança da família, já que o sistema nervoso do menino não responde mais ao tratamento, os medicamentos servem apenas para controlar a intensidade das crises, mas não diminuem a frequência que acontecem.

Segundo a mãe Juliana Wilpert, na ultima semana ele teve sete ataques em um único dia.

Durante a cirurgia vai ser implantado um aparelho chamado Estimulador do Nervo Vago em uma área próxima ao pescoço, esse estimulador será ligado em um nervo e vai ajudar a prevenir as irregularidades elétricas do cérebro.

A expetativa é que após o procedimento ele melhore em até 70%, mas tudo vai depender de como o organismo vai reagir. A tendência é que após o tratamento, as doses de medicação sejam diminuídas e ele consiga voltar a interagir com a ajuda de fonoaudiólogos, fisioterapeutas e psicólogos.

As crises de Matheus ficaram mais frequentes com o passar dos anos | Foto Eduardo Montecino/OCP

Juliana conta que a família obteve ajuda de diversas pessoas na região, realizando pedágios solidários, bingos, rifas e até receberam ajuda do Circo Fantástico, que está fazendo apresentações em Jaraguá do Sul e doou o dinheiro de um dia de bilheteria, no valor de R$ 2,7 mil para a campanha.

Quase na metade

O valor necessário para custear a cirurgia é de R$ 212 mil, podendo sofrer variações no valor, mas ainda falta mais da metade da quantia necessária, a mãe do menino aguarda ansiosa para marcar a cirurgia.

“Eu não posso deixar ele ficar assim, quando tá andando, com a cabeça para baixo, ele bate em tudo, se machuca. Eu não sei porque ele tem que passar por tanta coisa”, ela conta, emocionada.

Após ter passado quatro dias internado com pneumonia em novembro, a criança passou a ter crises cada vez mais frequentes. O pai, Evanildo, não consegue assistir ao filho passando por tanta dificuldade e faz o que for preciso para conseguir o tratamento.

“Não sei como arrumei forças, mas nessas horas não tem o que fazer, tem que se jogar, eu não tenho medo e vou atrás do que for preciso para ver meu filho bem. Dói o coração, eu me pergunto por que essa criança precisa passar por isso”.

Após a realização do procedimento, os gastos não vão acabar, Matheus precisará voltar para Curitiba nos dois meses seguintes, a cada 15 dias, para realizar a regulagem do aparelho implantado.

Saiba como ajudar

Bingo Beneficente

  • Quando: 7 de dezembro
  • Onde: Salão da Igreja Nossa Senhora Auxiliadora

Para comprar rifas ou participar dos eventos e acompanhar as lives realizadas pela família toda semana, acesse a página do Facebook da campanha 'Somos todos Matheus'.

Depósito em conta Poupança

Banco do Brasil

  • Agência: 1390-0
  • Conta: 17335-5
  • CPF: 067.583.949-13
  • Nome: Juliana Wilpert

Caixa econômica Federal

  • Agência: 2816
  • Conta: 22059-4
  • CPF: 048.201.499.70
  • Nome: Evanido wilpert

Contato: 98442-4204

Leia mais: Casal precisa de R$ 220 mil para cirurgia do filho, veja como ajudar