De pegada leve e com tons de comicidade, as músicas inspiradas em histórias de amigos, além de cenários da região e do momento em que estavam vivendo, carregam as influências de cada um dos integrantes e promovem um som muito característico da banda, mas difícil de rotular. É assim, sem amarras e se divertindo bastante, e sem se preocupar em se encaixar em um estilo específico, que a banda Capim Elefante faz um rock autoral de qualidade.
De forma totalmente independente e contando com a parceria de amigos da área musical, a banda comemora o lançamento de seu primeiro disco. Eles deram vida ao “Bananicultores”. São 12 faixas autorais que transcendem o trabalho da banda encartadas em um material cheio de qualidade e cuidado sem igual. Depois de um ano sem subir aos palcos, a Capim está com coceira nos dedos e uma certa “agonia” para fazer shows.
Formada atualmente por Lindolfo Rudnick Júnior, voz e violão, Robert Fischer na guitarra e voz, Djiovani Douglas na bateria e Marcello Lucht no baixo, a banda nasceu em 2012 mas seguiu até agora um caminho silencioso, cuidando de cada detalhe do que será mostrado ao público com a promessa de fazer bastante barulho. Já realizaram apresentações em cidades da região, porém no último ano concentraram os trabalhos na gravação do álbum que será o “cartão de visitas” da banda.
Os integrantes explicam que a Capim Elefante surgiu da união de outras bandas, tendo como objetivo fazer um som que representasse os músicos. Após algumas trocas, chegaram em uma composição de integrantes que se encaixava e decidiram gravar o álbum. “A ideia era criar um material para apresentar realmente o som que a gente faz”, enfatiza o vocalista Lindolfo. Foi assim que, de maneira minuciosa e atenta, deram vida às músicas e eternizaram através da gravação do Bananicultores. Como Marcello chegou no grupo há apenas dois meses, ele pegou o “barco andando” mas também contribuiu com o trabalho executado pelos outros integrantes.
Com o trabalho pronto para o consumo do público, à venda no site da banda e em breve em lojas da cidade, além de plataformas digitais como Spotify e Deezer, o grupo se prepara para encarar o grande público. É no rancho da Oma Fischer, longe do barulho do Centro e na calmaria da zona rural, que os músicos destilam seu rock e ensaiam para a tão esperada apresentação.
Apesar de ainda não ter a confirmação, o que se sabe é que será um evento de peso: a ideia do grupo foi realizar o show no lendário palco do Curupira Rock Club, em Guaramirim, e chamar outras bandas autorais para participarem. Todas as novidades sobre esse show e o trabalho da banda podem ser conferidos no site www.capimelefante.com.br.
https://www.youtube.com/watch?v=6YCZmOsuMY0