Dados do boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde de Jaraguá do Sul divulgados na última sexta-feira (14), apontam que Jaraguá do Sul registrou até o momento 37 focos do mosquito Aedes Aegypti em 12 bairros do município.

De acordo com Michelli Grasiela Pinheiro, da Diretoria de Vigilância em Saúde, Zoonoses e Dengue de Jaraguá do Sul, duas localidades da cidade foram consideradas infestadas. O bairro com maior incidência é a Vila Baependi, com registro de 11 focos do mosquito e o Centro, com oito focos.

Em relação ao mesmo período de 2018, Michele explica que houve um aumento no número de focos nesses dois bairros. No ano passado, foram registrados seis focos no Baependi e dois do Centro.

"Jaraguá do Sul teve 50 focos em 2018, porém, nenhuma das localidades foram consideras infestadas", explica. "Como a partir desse ano começou a reincidir o número, começamos a encontrar os mosquitos em residências fora das atividades de rotina", completa.

No último relatório atualizado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), o município aparece com 18 casos suspeitos de Aedes Aegypti e um caso está aguardando resultados de exames.

Cuidados que fazem a diferença

Apesar da aparição do mosquito aumentar a cada ano, Jaraguá do Sul não registrou nenhum caso de dengue em toda a história que tenha sido contraído dentro do município. Segundo a DIVE, apenas um caso de febre Chikungunya foi confirmado em abril de 2019.

Entretanto, Michelli garante que a paciente contraiu a doença no estado de São Paulo. Este é o primeiro caso desde 2016, e segundo no estado neste ano.

Para se prevenir, a profissional salienta que a orientação aos moradores é não deixar a água parada. "Infelizmente, a população não está fazendo a sua parte. Todos sabem dos cuidas necessários, mas, na prática, continuam não fazendo", lamenta.

Orientações para evitar a presença de focos

  • Vedar tanques de armazenamento de água;
  • Evitar plantas que acumulem água;
  • Realizar tratamento de água com cloro;
  • Limpar piscinas ao menos uma vez por semana;
  • Manter ralos fechados;
  • Potes devem ser limpos com escova para retirar os ovos do mosquito;
  • Limpeza de lajes e calhas;
  • Evitar acúmulo de entulho.

Casos no estado

Na avaliação de Michelli, o aumento de casos do mosquito Aedes Aegepty acompanha os números de Santa Catarina. De acordo com a profissional, até o momento são 91 municípios no estado considerados infestados. Em 2018, eram apenas 72 cidades. Jaraguá do Sul está na lista dos municípios infestados.

Segundo a Dive, 846 casos de dengue já foram confirmados no estado. Sendo que a cidade de Itapema, no litoral Norte, registrou uma epidemia do Aedes com 428 focos contraídos dentro do próprio município.

"Com a infestação nos municípios vizinhos, para o mosquito se manifestar em Jaraguá é questão de tempo. Então todo cuidado é pouco", alerta Michelli.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?