A Associação dos Surdos de Jaraguá do Sul (ASJS) está organizando uma passeata para sábado da semana que vem, dia 29 de setembro, às 9h30. A passeata integra a programação da semana do Setembro Azul, que prevê série de atividades entre os dias 24 e 30 deste mês.

O objetivo da associação, além de chamar atenção para o Setembro Azul, mês em torno do qual a comunidade surda concentra mais esforços para mostrar um pouco mais da sua cultura, é comemorar o Dia Nacional do Surdo. A concentração será na praça Ângelo Piazera, com o grupo devendo percorrer as ruas centrais.

O presidente da associação, professor Paulo Sérgio Praxedes, lembra que a história dos surdos mostra sujeitos lutando por seus direitos, por meio da Libras, a Língua Brasileira de Sinais, e que esta data aflora também as lutas, conquistas e o reconhecimento da língua, aliados a batalhas por uma educação de qualidade, com acessibilidade, onde a comunidade surda seja devidamente respeitada.

“A história dos surdos serve para refletirmos sobre a desigualdade entre surdos e ouvintes. Não queremos mais isso! Queremos igualdade em todos os sentidos!”, descreve.

Ele espera que a passeata, além de ser um espaço político de luta, sirva de reflexão sobre o sentimento, conhecimento e aprendizado dos surdos e profissionais que lutam pelo desenvolvimento e construção da cultura surda.

A associação, segundo ele, é a mais importante representação da comunidade, pois é onde os surdos se reúnem para trabalhar, encontrar-se, trocar ideias e compartilhar informações.

“Queremos respeito às diferenças, aos profissionais tradutores e intérpretes de Libras, acessibilidade, igualdade e inclusão”, reforça.

Confira a programação:

  • Dia 24: Abertura da semana, na Escola Julius Karsten, com Noite de Homenagens;
  • Dia 26: Cine Libras, às 19h30, no IFSC;
  • Dia 27: Oficina de Costura em Libras, às 14h, no IFSC;
  • Homenagem ao Dia do Surdo, às 17h30, na Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul;
  • Dia 28: Encontro de Alunos Surdos das redes municipal e estadual de ensino, às 13h30, no CMEI Carlos Andrei;
  • Dia 29: Passeata dos Surdos, às 9h30, na praça Ângelo Piazera;
  • Dia 30: Atividades esportivas e gincana, às 14h, na Arsepum.

Por que Setembro Azul?

O mês de setembro tem datas importantes para a comunidade surda, de perdas do passado e de conquistas:

  • 6/9 e 11/9: lembram o Congresso de Milão de 1880, no qual foi proibido o uso das Línguas de Sinais na educação dos surdos, fazendo com que os surdos tivessem que se adaptar às línguas orais até que as línguas de sinais fossem novamente aceitas.
  • 10/9: Dia Mundial das Línguas de Sinais. No Brasil, a data estimula a discussão da falta de acessibilidade em Libras nos ambientes físicos e virtuais.
  • 26/9: Dia Nacional do Surdo. O dia foi escolhido por ser a data de fundação do Ines (Instituto Nacional de Educação de Surdos), a primeira escola para surdos do Brasil.
  • 30/9: celebra o Dia do Tradutor de Libras.

Por que a cor azul?

Segundo o blog Hand Talk, a cor azul representa dois momentos distintos. Durante a 2ª Guerra Mundial os nazistas identificavam as pessoas com deficiência com uma faixa azul no braço, por considerá-las inferiores.

E os surdos eram obrigados a usá-la. Com o fim da guerra e o passar dos anos, a cor passou a simbolizar ao mesmo tempo a opressão enfrentada pelos surdos e o orgulho da identidade surda.

Essa ressignificação do azul ficou marcada na Cerimônia da Fita Azul (Blue Ribbon Ceremony), em 1999, que lembrava os surdos que foram vítimas da opressão. Nela, o médico surdo Patty Ladd usou uma fita azul no braço pela primeira vez como símbolo do movimento.

Hoje, a cor azul turquesa é usada, por ser uma cor viva e vibrante, que representa a riqueza cultural de uma comunidade.

Quer receber as notícias no WhatsApp?