A Associação Jaraguaense de Artistas Plásticos (Ajap) chega aos 25 anos seguindo com a missão de estimular os talentos da cidade, mas enfrenta as dificuldades, como o pouco consumo da população a esse segmento artístico. Localizada na Praça Ângelo Piazera, nos fundos do Museu Emílio da Silva, a Ajap conta com 24 artistas associados ativos e é palco para a mostra de uma série de trabalhos e oficinas ligadas ao gênero. Segundo explica a presidente da associação, Cristina Pretti, o local “serve como uma janela para o trabalho artístico” realizado na cidade e região. “Aqui não expõem só artistas associados. Primeiro é oferecido a eles o espaço, caso não feche o calendário abrimos edital para artistas de todo o Estado”, comenta. As integrantes da diretoria, Fátima Ossowski e Valdete Hinnig, lembram que a associação surgiu justamente da necessidade de um espaço dedicado a exposições. “O cenário era bem dinâmico, havia um grupo de artistas muito ativo e por isso a associação foi criada”, comenta Fátima. Janete lembra que anos antes já haviam mostras na cidade, inclusive um artista local levava trabalhos para serem mostrados em Florianópolis. “A primeira reunião que começou a falar sobre a associação foi em 1990, mas ela foi oficializada dois anos depois”, completa. O movimento que deu origem à Ajap hoje é menor, lamentam elas. “O nosso foco é mostrar o trabalho dos artistas, mas é principalmente no fomento à formação de plateia. Percebemos pouco interesse do público em geral em consumir arte”, comenta a presidente. Uma das formas encontradas pelo grupo de introduzir esse gosto pela arte é chamar as escolas para conhecer os trabalhos expostos. “Nada melhor do que cativar as crianças e elas vem aqui, visitam e ainda fazem um trabalho sobre o que viram. E muitas vezes ainda chama os familiares para virem”, explica. Hoje, os grupos escolares respondem pela maior parte de visitas que a galeria recebe. “O público espontâneo é fraco, mas não é diferente de outras associações que têm sede própria. A gente vê que as pessoas não frequentam, mas não sei se é porque não sabem que existe ou onde fica”, completa.
Ajap abre as portas mensalmente com diferentes exposições
Além de abrir as portas mensalmente com diferentes exposições, a Ajap é o local de encontro dos artistas e também de uma série de oficinas. A agenda de cursos também é uma forma de arrecadar recursos para a instituição, que apesar de estar em um prédio público cedido pela Prefeitura e não arcar com despesas como água e luz, é responsável pela manutenção interna do espaço. “Mas são oficinas com um preço bem mais acessível, às vezes metade do valor do mercado em geral, e sempre disponibilizamos uma bolsa”, afirma Cristina. Para a presidente, cativar e consolidar o público é um dos maiores desafios da entidade ao completar as bodas de prata. “Esse é um espaço público, aberto de maneira gratuita e por voluntários - até por isso os horários reduzidos - onde as pessoas vão encontrar as obras de artistas locais e terão um contato aproximado com o mundo das artes”, esclarece. Exposição especial marca os 25 anos A presidente da Associação Jaraguaense de Artistas Plásticos (Ajap), Cristina Pretti, comenta que um evento especial está sendo preparado para festejar a data. “Comemoramos a primeira reunião do grupo que se organizou para criar a associação, o que ainda levou dois anos, mas celebramos essa iniciativa”, enfatiza. Na quinta-feira (3), a partir das 19h30, a Galeria de Artes estará aberta com uma exposição comemorativa e o varal Literofotográfico. “A mostra traz trabalhos dos artistas que estavam na primeira reunião da Associação, além de outras obras de quem fez e ainda faz parte da história da Ajap”, conta. O varal será montado com retratos feitos por fotógrafos jaraguaenses, além de trabalhos de escritores.