Em menos de seis meses, o Procon de Jaraguá do Sul já realizou 1.932 atendimentos presenciais e registra, em média, 45 atendimentos diários para orientação via telefone. O campeão de reclamações segue sendo o serviço de telefonia, como também acontece no estado.

Em Santa Catarina, no ano passado, foram 20.541 consumidores insatisfeitos - 4.182 foram atendimentos relacionados à telefonia celular e 1.848 à telefonia fixa.

Leia mais: Corupaenses abrem suas propriedades rurais para receber turistas

Com uma média mensal de pouco mais de 320 atendimentos, Rosiléa garante que o melhor a fazer é se cercar de todas as garantias documentais seja na compra de produtos ou na contratação de serviços.

Recibos, comprovantes de compra, notas fiscais e cópias de contrato devem ser solicitadas em todas as transações, afirma. “Tudo aquilo que é ofertado, precisa estar documentado”, diz.

Ela indica também que o consumidor deve tentar, em um primeiro momento, a resolução amigável e caso não seja possível, procurar o órgão com todos os documentos em mãos.

Rosecléa conta ainda que as reclamações tem diminuído na cidade e atribui a queda a dois fatores fundamentais: a consciência de direitos dos consumidores e o respeito às leis de consumo por parte dos fornecedores.

1. Cobrança indevida em serviço de telefonia

Segundo Rosicléa, são recorrentes as reclamações sobre serviços ou combos não solicitados e que passam a ser cobrados nas faturas.

2. Cobrança de serviço sem consentimento em benefícios de aposentados e pensionistas

a chefe administrativa explica que há inúmeras reclamações de cobranças com desconto direto no benefício de aposentados e pensionistas.

“São empréstimos consignados concedidos e cobrados direto no benefício sem o conhecimento do beneficiário que só fica ciente quando nota a parcela sendo descontada”, diz.

3. Vícios de produtos

Rosecléa explica que, todos os dias, consumidores procuram o Procon para reclamar sobre defeitos em produtos adquiridos sem que o fornecedor forneça a manutenção, conserto ou troca.

4. Serviço contratado e não realizado ou não concluído

No Procon de Jaraguá do Sul, outra reclamação muito comum é com relação a não cumprimento de serviços contratados. Rosecléa conta que as reclamações variam entre serviços sequer iniciados e aqueles que não são concluídos.

5. Cobrança de multa abusiva por quebra de contrato

Rosecléa explica que as multas por quebra de contrato na contratação de serviços têm extrapolado os valores considerados aceitáveis. Ela conta que a jurisprudência tem aceitado multas de até 20% do valor total, porém, em Jaraguá do Sul há casos de multas que chegam a 80%.

Pesquise

Procon catarinense disponibiliza uma lista na qual identifica as empresas com maior número de reclamações, o Cadastro de Reclamação Fundamentada, que especifica o tipo de cada uma delas.

Nova sede na rua Leopoldo Malheiro

A entrega oficial ocorreu na semana passada, mas os atendimentos na nova sede do Procon já completaram dois meses no dia 23 de julho. A mudança, que aconteceu em maio, deu mais conforto e otimizou o atendimento do órgão, garante a chefe administrativa Rosiléa Krawulski.

A nova sede foi penada respeitando o atendimento prestado pelo órgão o que, para ela, deu mais agilidade e garantiu melhor aproveitamento do espaço. “Aqui melhorou 100% a estrutura porque a reforma foi direcionada ao órgão”, afirma.

O novo espaço, na rua Leopoldo Malheiro, tem 322 metros quadrados e, além disso, a possibilidade de estacionar na rua é, para Rosecléa, um conforto a mais para os consumidores.

Ela garante que a mudança não prejudicou em nada os atendimentos, uma vez que a nova sede fica muito próxima do local anterior. “Estão se habituando devido a proximidade com o local antigo”, diz.

Os atendimentos podem ser agendados pelo telefone (47) 3275-3237, pelo e-mail procon@jaraguadosul.sc.gov.br ou pessoalmente. O Procon fica aberto de segunda a sexta-feira, das 8h às 12 e das 13h às 17h.

Quer receber as notícias no WhatsApp?