Aproximadamente 700 alunos da Escola Municipal de Ensino Básico Vitor Meirelles, localizada no Bairro Três Rios do Norte, participaram de oficinas de desenhos com o desenhista infantil, cartunista e chargista Jose Isaac Huna. O artista argentino veio para o Brasil em 1987 e ficou nacionalmente conhecido por ter criado A Turma da Xuxinha, em 1996, para a apresentadora infantil Xuxa.
Artista argentino ficou nacionalmente conhecido por ter criado A Turma da Xuxinha | Foto PMJS/Divulgação
Residindo em Jaraguá do Sul desde o ano passado, Jose Isaac Huna, já ministrou oficinas de desenhos na Associação Jaraguaense de Artistas Plásticos e no Centro de Artes e Esportes Unificados Mestre Manequinha (CEU). Recentemente, ao participar da 11ª Feira do Livro, onde fazia caricaturas dos visitantes, Huna foi abordado por uma professora da EMEB Vitor Meirelles e depois pela diretora, e convidado a mostrar seu trabalho na Escola. A participação na EMEB Vitor Meirelles aconteceu na segunda-feira (21) e terça-feira (22), com 12 oficinas para grupos de mais de 50 crianças, abrangendo 100% dos estudantes e até mesmo os professores que se engajaram nas ações. A diretora Marlise de Fátima Moretti explica que o convite para as oficinas teve objetivo oportunizar aos estudantes o aprendizado da técnica do desenho, mostrando as obras do artista e falando sobre sua trajetória de vida e de profissão. Ao mesmo tempo, fazer a relação entre Huna e o patrono da Escola, o desenhista e pintor catarinense Vitor Meirelles de Lima. “Foram criadas 12 caricaturas sobre o patrono e as obras produzidas por ele”, enfatizou a diretora, lembrando que os 81 anos da EMEB Vitor Meirelles serão comemorados entre os dias 11 e 18 de setembro próximo. Ao avaliar a atividade na escola, o desenhista Jose Isaac Huna disse que foi muito gratificante ver o interesse das crianças em aprender as técnicas de desenho. “Foi muito positivo. As crianças têm um talento natural que precisa ser estimulado e desenvolvido. Porém, quando tem um mentor que incentiva, ela se maravilha e, neste momento, a tecnologia não existe pra elas, apenas o lápis e o sulfite”, diz Huna. *Com informações da Prefeitura de Jaraguá do Sul