Nas últimas semanas, os jaraguaenses precisaram estar preparados para as constantes variações climáticas que influenciaram os dias. A atenção é ainda maior com a chuva, que tem aparecido com maior frequência no início da manhã, fim da tarde e noite. Mesmo com as precipitações contínuas, a situação dos níveis dos rios e encostas está dentro da normalidade, segundo o chefe de prevenções de desastres da Defesa Civil de Jaraguá do Sul, Marcelo Ludvichaki. Até o atual momento, o mês de abril registrou 86 milímetros de chuva. “O nível de água nos rios Itapocu e Jaraguá está baixo. Pelo monitoramento, identificamos que ele chega a subir com a chuva, mas logo se normaliza por ela ser isolada e devido à boa vazão dos rios”, explica Ludvichaki. Nos últimos 20 dias não foram registrados alertas ou chamados dos moradores em relação às cheias ou deslizamentos de encostas. A situação pode se alterar apenas com a intensificação das chuvas, conforme o chefe de prevenções. De acordo com o sistema Epagri/Ciram, no trimestre entre abril e junho as precipitações diminuem em relação aos meses de verão, época em que normalmente são registradas enchentes na região, podendo ficar entre 80 mm e 140 mm do planalto ao litoral Norte. Nos primeiros três meses do ano, o maior acumulado de chuva foi em março, com 295 mm, seguido de janeiro, com 213 mm e fevereiro com 122 mm. “Não significa que ocorreram danos. Elas foram dentro do previsto, sendo localizadas”, comenta Ludvichaki. As chuvas são preferencialmente causadas pela influência de frentes frias, sistemas de baixa pressão e vórtices ciclônicos. Nessa época também é registrada a atuação frequente dos ciclones extratropicais, próximos ao litoral, com ventos fortes e mar agitado, que muitas vezes resultam em ressaca.