Receber o título de cidade mais pacífica do Brasil é, sem dúvidas, algo a se comemorar. Jaraguá do Sul vem celebrando o baixo índice de homicídios há alguns anos, o que é fruto das condições e infraestrutura que o município oferece, da cultura de seu povo, das ações de segurança e da visão comunitária de paz social. A cidade, também uma das líderes em desenvolvimento humano, vem se consolidando como uma das ideais do país para se viver. No entanto, não há como deixar de falar sobre os números em âmbito nacional. A violência assola o país como um todo e faz de muitos territórios urbanos terra de ninguém. O estudo aponta para uma realidade chocante: são registradas mais mortes no Brasil do que nos atentados terroristas que costumam mobilizar e causam tanta revolta. Todos os dias, crianças são mortas por balas perdidas, famílias são destruídas e, de acordo com o Ipea, as estatísticas de morte de jovens sobem cada vez mais. Em Jaraguá do Sul,a violência está principalmente no trânsito. Esse é o nosso tipo de violência e que gera taxas elevadas de mortes, sequelas e danos materiais. No primeiro quadrimestre de 2017, Jaraguá do Sul contabilizou 799 acidentes de trânsito. Em 2016, esta foi a maior causa de mortes externas. Nesse ranking negativo, o município ocupa o terceiro lugar entre as 13 cidades do Estado com mais de 100 mil habitantes em 2016. Foram 17,33 mortes por 100 mil habitantes no ano passado. O anuário estatístico produzido pela Polícia Militar destaca que foram 2.210 acidentes sem vítimas, 770 acidentes com vítimas, 838 feridos e 29 óbitos (número de mortes computadas no relatório de Informações sobre internações hospitalares SUS e mortalidade por acidentes de transporte). E, se contabilizados os dados da região, os números só aumentam. Por isso o alerta quanto à necessidade de maior mobilização, educação e melhor infraestrutura nessa área. A paz social depende, também, de uma conduta mais correta dos cidadãos em relação ao trânsito.