Com o tema “Resistir com arte”, a equipe de Saúde Mental de Jaraguá do Sul promove na sexta-feira (18) o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, a 8ª edição da Caminhada da Saúde Mental de Jaraguá do Sul.

Neste ano, o trajeto não será o do Calçadão da Marechal, normalmente utilizado. Sairá do Terminal Urbano, passará pelas ruas Getúlio Vargas, Emílio Carlos Jourdan, Epitácio Pessoa, até o Ginásio Arthur Müller. Um dos motivos da mudança foi a cobertura oferecida pelo ginásio, em caso de chuva.

O ambiente será mais fechado, mas estará aberto a todos os que quiserem participar. O Ginásio Arthur Müller estará aberto a partir das 10h para apresentações e intervenções artísticas, rodas de conversa sobre a Portaria nº 3.588, de dezembro de 2017 - que aumenta o número de leitos disponibilizados aos pacientes psiquiátricos – e debate sobre o que é necessário resistir para se manter. Também haverá roda de música e parcerias que oferecerão distribuição de mudas (Fujama), testes rápidos (Saúde), cama elástica, pintura facial, embelezamento (Escola de Cabeleireiros Embelleze), auriculoterapia (terapeuta ocupacional) e massagem terapêutica (Jangada).

A coordenadora dos serviços de Saúde Mental de Jaraguá do Sul, Denise Thum, explica que, apesar de haver lei que extingue os manicômios (Lei 10.216/2001, Lei da Reforma Psiquiátrica), a luta não pode parar nunca.

“Tivemos no fim do ano passado uma portaria do Ministério da Saúde (3.588) que aumentou o número de leitos para internação de pacientes psiquiátricos o que, ao nosso ver, é um retrocesso. Precisamos lutar para que esses pacientes tenham o máximo de convívio social, criação de vínculos, oficinas terapêuticas e o mínimo de internações possível, só em casos realmente necessários e pelo mínimo tempo necessário”, explica Denise. 

Atualmente os três Centros de Atenção Psicossocial (Caps) de Jaraguá do Sul contam com 45 profissionais, entre psicólogos, assistentes sociais, médicos psiquiatras, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, técnicos de enfermagem, arteterapeuta e fonoaudióloga. São, em média, 1.700 atendimentos/mês nos Capsi, Caps AD e Caps II.

O serviço consiste em assistência médica, psicológica, social e oficinas terapêuticas que auxiliam no processo de socialização e de autoestima do paciente. São atendidos direto nos Caps casos de crise psiquiátrica, tentativa de suicídio, violência sexual. Outros casos passam pela unidade de saúde para posterior encaminhamento. No Caps AD (Álcool e Outras Drogas), a demanda é espontânea, ou seja, o usuário pode procurar diretamente o Caps. O serviço também orienta familiares dos dependentes químicos.

 

Confira abaixo a programação da 8ª Caminhada da Saúde Mental

  • 9h – Início da caminhada – saída em frente ao Terminal Urbano de Ônibus (Rua Getúlio Vargas, 245).
  • 10h – Abertura do evento – Ginásio Arthur Muller:
  • 10h30 – Apresentação da Banda da EEB Albano Kanzler
  • 10h45 – Roda de conversa sobre o tema.
  • 11h30 – Intervalo para almoço.
  • 13h – Momento de Alongamento – Adriana Terapeuta Ocupacional do Capsad.
  • 13h30 às 14h30 – Apresentações Culturais.
  • 14h30 – Contação de História.
  • 15h – Apresentação de Dança Gaúcha – Carlos – Técnico de Enfermagem do CapsII
  • 15h15 – Aula de Zumba – Condução: Charliny
  • 15h30 – Roda de Música – Condução: Alcir (CapsII) e Zelize (Capsad)
  • 16h – Encerramento

*Com informações da Prefeitura de Jaraguá do Sul