O clássico Figueirense x Avaí, disputado neste domingo (2) em Florianópolis, vai acabar na Justiça Desportiva. As invasões de campo por torcedores alvinegros e a briga coletiva estão relatados na súmula da partida pelo árbitro Bráulio da Silva Machado. A agressão do jogador do Avaí, Bruno Silva, ao torcedor que estava dominado por outros jogadores do Avaí, porém, não está especificado no texto de Bráulio. As imagens circulam pelos grupos de Whatsapp.

Mesmo que o árbitro não sido explícito no relato deste fato, a procuradoria do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) pode apresentar denúncia contra o jogador, que ficaria passível de punição.

Quanto à invasão, o Figueirense deve ser denunciado no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva e corre o risco de perder até 10 mandos de campo ou jogar com portões fechados, sem torcida.

Em sua defesa, o clube do Estreito usa o argumento de que os torcedores foram detidos e identificados pela Polícia Militar. Em casos semelhantes de invasão, os clubes julgados foram absolvidos da perda, sendo punidos com multa.

Confira o que está na súmula

“Informo que aos 39 minutos do 2º tempo, a partida foi paralisada por 20 minutos, motivada pela invasão de 2 torcedores da equipe mandante que partiram em direção ao banco de reservas da equipe visitante, ato este que gerou um confronto coletivo dentro nas imediações do campo de jogo. Os torcedores foram apreendidos e identificados pela policia militar através do boletim de ocorrência circunstanciado nº5463437 . Informo ainda que durante a paralisação da partida torcedores localizados no local destinado a equipe mandante quebraram a proteção de acrílico, tendo a policia que intervir para conter uma nova invasão. Instantes após iniciou-se um conflito entre torcedores da mesma equipe neste setor. Após a situação ser controlada pela policia militar, foi realizada uma reunião entre o árbitro da partida, o comandante do Policiamento Major Sell e o vice presidente da Federação catarinense Marco Antonio Martins, onde foi exposta a preocupação da equipe de arbitragem com a segurança de torcedores e envolvidos no evento para continuidade da partida, sendo que esta foi garantida pelo chefe do policiamento”, relatou Bráulio.

O que diz o artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva:

"Deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens em sua praça de desporto. PENA: multa de R$ 10.000,00 (dez mil reais) a R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) e perda do mando de campo de uma a dez partidas, provas ou equivalente quando participante da competição oficial”.

Confira as imagens que circulam em grupos de Whatsapp:

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul

Facebook Messenger