Uma torcedora foi condenada por empurrar um árbitro e chamá-lo de "ladrão", "negro sujo" e "fdp" durante uma partida de futebol de salão em Princesa (SC).

A mulher ainda o ameaçou ao dizer: "vou quebrar a tua cara". A decisão, tomada no último dia 3 de outubro, é da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) e ainda cabe recurso.

Na época, após os xingamentos e ameaça, ela ficou na porta do ginásio com outros amigos à espera do profissional.

Em função disso, o juiz da partida precisou esperar por 20 minutos dentro da quadra para conseguir deixar o ginásio.

As reações ocorreram depois de o árbitro expulsar uma jogadora durante a partida, em 27 de fevereiro de 2016. Na época, ocorria um jogo entre dois times femininos.

Ameaça e injúria racial

Pelo crime de injúria racial, a torcedora foi condenada à pena de um ano e seis meses de reclusão. Já pela ameaça, a mulher foi sentenciada à pena de um mês e 15 dias de detenção.

As duas penas foram convertidas em prestação de serviço à comunidade. Para os desembargadores, não há situação que autorize a agressão verbal.

A decisão é de 2ª grau, pois a torcedora não concordou com a primeira sentença e, por isso, a defesa dela recorreu.

Ela requereu a absolvição sob o argumento de que não há provas suficientes de que praticou os crimes de injúria racial e ameaça nos termos da denúncia.

A mulher ainda tentou justificar o comportamento porque estaria em uma gestação de risco.

Intimidado e constrangido

Em depoimento à Justiça, o árbitro salientou que as ameaças poderiam se concretizar porque a torcedora estava "muito nervosa" e que recuou duas vezes "para evitar eventual agressão".

Salientou que se sentiu intimidado e "muito constrangido".

Procurada pelo UOL, a advogada Claudia Juliane Scapin, que defende a agressora, afirmou que não vai recorrer da decisão.

 

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger