O coordenador médico da seleção brasileira feminina de futebol, Nemi Sabeh, está sendo investigado pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SC) por um suposto registro ilegal de familiares como funcionários de uma de suas clínicas para furar fila na vacinação contra Covid-19.

O órgão já instaurou um inquérito civil para apurar o caso, que foi apontado, inicialmente, em 9 de abril, por um vereador da Câmara Municipal de Assis, cidade do interior paulista, onde está localizada a clínica de Nemi Sabeh.

As investigações buscam comprovar se os pais e o irmão do médico da CBF realmente trabalham na unidade de saúde que Nemi é dono juntamente com sua mulher.

Os familiares do médico foram listados para Secretaria Municipal de Saúde de Assis como diretores da unidade.

Mas segundo o documento enviado à pasta, o irmão de Nemi é diretor de vendas, enquanto os pais constam como diretores administrativos da clínica.

Além da seleção feminina principal, Nemi Sabeh já trabalhou como coordenador médico das categorias Sub-17 e Sub-20, e como médico assistente do futebol do Corinthians.