Segundo informações da ESPN, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, tem chance de perder seu cargo.

O motivo seria uma desgastada relação com uma funcionária ligada ao ex-presidente da casa Marco Polo Del Nero.

Pessoas com conhecimento da situação afirmam que ela tem provas de desvios de comportamento de Caboclo.

A crise interna já dura há três semanas na entidade, quando essa funcionária se licenciou por motivos de saúde. Desde então, ela está incomunicável.

A conduta do presidente da CBF também tem sido criticada por presidentes das federações e outros funcionários da entidade. Eles consideram que Caboclo tem uma postura inapropriada para o cargo.

Foto: Divulgação/CBF

O vídeo de uma reunião de março seria um dos exemplos desta postura errática do dirigente. No encontro virtual, que discutia a continuação do calendário do futebol brasileiro em meio à pandemia, Caboclo se exaltou algumas vezes e, usando um palavrão, pressionou os clubes pela manutenção dos jogos.

Caso deixe o cargo, o nome mais forte para substituí-lo é o de Castellar Modesto Guimarães Neto, um dos oito vice-presidentes da CBF e ex-presidente da Federação Mineira de Futebol.

O estatuto da CBF prevê que em caso de mudança, o vice mais velho (atualmente é Antonio Carlos Nunes) deve assumir e convocar uma nova eleição dentro do prazo de trinta dias.

O eleito comandaria a CBF até o fim do mandato atual, que termina em abril de 2023.