A história de um povo é sempre marcada por superações, e para os jaraguaenses não é diferente, tem sido assim desde o início da história. E o ano de 2020, com certeza, ficará registrado como mais um momento em que os jaraguaenses superaram.

Com a pandemia do coronavírus (Covid-19), os comportamentos estão em transformação, novas atitudes tem sido necessárias para que cada um se adapte ao "novo normal". No que se refere à forma de convivemos em sociedade é necessário pensar fora da caixa para que o progresso aconteça. Para isso, manter a saúde mental em dia é, sem dúvida, impreterível.

O psiquiatra Dr. Daniel Medeiros pontua que, em consequência da Covid-19, muitas pessoas tiveram que se submeter involuntariamente à diminuição do contato social. Nesses quatro meses, dezenas de pacientes tem relatado os desconfortos decorrentes disso.

“Não há exatamente um padrão de sintomas decorrentes do isolamento social. Mas o que se percebe comumente é um aumento das queixas de ansiedade e de tristeza”, relata.

Estudos recentes descreveram os efeitos psicológicos da moderna quarentena quando imposta a uma cidade inteira, tomando como modelo a cidade de Wuhan, China em 2019-2020.

Segundo Medeiros, os sintomas mais observados nesses estudos foram ansiedade, pânico, preocupação com a falta de suprimentos alimentares e percepções apocalípticas. “A base de toda essa tensão e de sentimentos negativos consiste no medo da incerteza, do desconhecido, do descontrole, e especialmente da morte”, explica.

Foto: Matheus Wittkowski / OCP News

Ele também ressalta que a impressão inicial é de que houve aumento dessas queixas não só entre pessoas que já tinham algum problema psicológico ou psiquiátrico. Se percebe também um aumento de novas consultas, relacionado ao surgimento de doenças em pessoas que nunca tiveram qualquer queixa psíquica.
“Uma boa forma de avaliar o seu próprio estado psíquico em relação às restrições sociais atuais é se perguntar sobre quais são suas expectativas a respeito do que estamos passando agora. Fique atento se você, ou pessoas próximas, apresentam expectativas muito pessimistas em relação ao futuro”, sugere Medeiros.

Como superar e lidar de forma mais leve

Medo de doenças, problemas financeiros, desavenças na família são situações que desencadeiam ansiedade, principalmente em pessoas que já estão predispostas. São estados físicos e emocionais incompatíveis com a resolução dos problemas.

De acordo com a psiquiatra Dra. Andrea Galastri, analisar a situação sob outras perspectivas é uma dica para que esse medo, angústia e tristeza não sejam dominantes. Ter em mente que essa é uma situação passageira e buscar formas de adaptar a vida e os negócios pode ajudar no controle das emoções.

“Para quem precisa ficar em casa e não pode estar com amigos e parentes, manter uma rotina de vida saudável e buscar ocupações pode ajudar a passar por este período” aconselha.

Entender que o isolamento é necessário faz parte da adaptação, e isso deve ser construído aos poucos para ser saudável.

Foto Divulgação

Apesar de as pessoas estarem preocupadas com a questão financeira, com o futuro dos negócios e emprego, por exemplo, o desconforto nesse caso deve ser revertido em ações que geram solução para determinados problemas. Quando o indivíduo age por impulso da ansiedade, ele cede aos medos e paralisa.