No rádio, os famosos narradores davam ainda mais emoção às partidas que eram disputadas na Suécia. Os radinhos eram famosos companheiros dos amantes do futebol e foi através das ondas que os brasileiros imaginavam os gols de Zagallo e Pelé e as jogadas de Garrincha que entortavam adversários.

E essa é a primeira lembrança que o consultor Dejair Ramos Garcia, 66 anos, tem de uma Copa do Mundo. Foi assim, imaginando como seria a seleção que ele se apaixonou por futebol a ponto de ser jogador quando jovem.

Leia a matéria completa sobre os jaraguaenses na Copa do Mundo 2018

Ele conta que chegou a treinar com o time profissional do Santos antes de ingressar na faculdade de Engenharia e abandonar o sonho de um dia fazer o mesmo que Zagallo, Pelé e Garrincha faziam enquanto ele, ainda garoto, ouvia do lado de cá do oceano.

Agora, décadas depois, é a vez dele mostrar ao neto, de 13 anos, os encantos de uma Copa do Mundo. Em 1958, o Brasil foi campeão, agora, ele ainda não sabe, mas confia na seleção de Tite.

Dejair ainda não está com as malas prontas, mas já está com passagens, hospedagem e ingressos garantidos para a Copa da Rússia.

Brasil e Suiça, Brasil e Costa Rica e Brasil e Suécia são os jogos que ele, o filho e o neto vão acompanhar, também lá, no outro lado do oceano, assim como a primeira Copa da qual ele se recorda.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Para ele, essa viagem tem um gostinho especial e, embora o futebol seja uma paixão familiar, o momento com filho e neto é ainda mais importante.

“Eu nunca imaginei que viajaríamos assim, só nós três e ela será muito importante pelo prazer de estar com eles, principalmente com o neto”, conta. E Pedro, de 13 anos, vem com a mesma paixão do pai e do avô.

Dejair conta ainda que passar duas semanas ao lado do filho em uma atmosfera pela qual ele é apaixonado torna a viagem ainda mais especial. O filho, que hoje mora em Caruaru, Pernambuco, saiu muito jovem de casa. “Acho que vai ser muito bom esse período com ele”, ressalta.

Foi inclusive o filho que levantou a ideia e a possibilidade de viajar à Rússia para a Copa. E foi ele também que “bancou” tudo.

“Ele disse: vamos para a Copa. Mas eu achei meio absurdo e ele falou: não se preocupe com dinheiro. Assim, ele se inscreveu para cinco jogos, foi sorteado para os três e em abril começou a organizar a viagem”, explica.

Sem se preocupar com o custo da viagem, Dejair conta que, o gasto, em média, fica em torno de R$ 17 mil para cada um deles.

Camisas de Santos – time do coração –, do Flamengo – time do coração do filho – e da seleção a postos, o consultor acredita que o título fique entre Brasil, Alemanha e Espanha, mas ressalta que os jogos, neste caso, são apenas um complemento para uma viagem que deve fortalecer ainda mais o vínculo familiar.

“O jogo para mim é um complemento. São 90 minutos e o resto é para aproveitar com eles. Eu amo muito a minha família. Não somos de nos visitar muito, por toda a correria, mas tenho certeza que volto de lá com mais conhecimento por toda a cultura e muito mais amor pela família, por ter estado com eles”, finaliza.

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?

Região de Jaraguá do Sul - Clique aqui

Região de Joinville - Clique aqui

Região de Florianópolis - Clique aqui